Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Itaú é primeiro banco privado a baixar juros pela 2ª vez

Banco segue movimento semelhante feito pela Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil

Seguindo a nova rodada de baixa de juros bancários, agora é a vez do Itaú Unibanco reduzir pela segunda vez suas taxas para serviços voltados a pessoas físicas e pequenas e médias empresas. Ele é o primeiro banco privado a anunciar novos cortes. Segundo o presidente do banco, Roberto Setubal, há mais de 200 bilhões de reais disponíveis em crédito para esses clientes. No mesmo dia, a Caixa e o PanAmericanos também voltaram a anunciar novos cortes.

A primeira redução do banco foi no dia 18 de abril. A Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil já haviam anunciado novos cortes. O BB foi além e também anunciou na quinta-feira diminuição de taxas de administração de seus fundos. O governo pressiona o setor bancário e estimular o crédito e, consequentemente, elevar o consumo das famílias. Os bancos públicos, porém, têm sido mais agressivos.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, cobrou, na semana passada, novas medidas dos bancos privados para estimular o crédito. Ele reforçou que o spread bancário (diferença entre os custos de captação e os juros de empréstimo) no Brasil é muito alto e precisa ser corrigido.

Pessoas físicas – Os juros para clientes que aderirem ao pacote MaxiConta Portabilidade Salário, por exemplo, passarão do intervalo de 2,45% a 6,70% ao mês para o intervalo de 1,99% a 4,94% mensais. Já no cheque especial, a faixa de juros atual (5,24% a 8,89%) cairá significativamente para o intervalo de 3,50% a 4,94% ao mês. Elas já passam a valer na próxima segunda-feira.

Cartão de crédito – Para aqueles que pagam apenas o mínimo da parcela do cartão de crédito, o rotativo vai mudar também: passará de 3,90% a 13,80% mensais para a faixa de 3,85% a 9,90% ao mês. As compras parceladas terão juros até 72% menores, com taxas girando em torno de 0,90% a 3,90% a.m. contra as praticadas até esta sexta-feira (1,99% a 13,80%). Para o parcelamento da fatura do cartão de crédito, que operava com juros mensais de 2,45% a 6,70%, os clientes agora terão taxas de 1,99% a 4,94% a.m.. Estas novas regras valerão a partir de 16 de maio.

Carros – Apesar de todas as mudanças, o financiamento de veículos continuará com as taxas da última redução, em 23 de abril: mínima de 0,99% a.m. e máxima de 2,41%. Nos empréstimos consignados para beneficiários do INSS, permanecem a taxa mínima de 0,89% e a máxima de 2,20% ao mês, também reduzidas em abril.

Pequenas empresas – Nas pequenas empresas, o Itaú anunciou redução na taxa para o capital de giro com garantia de recebíveis em cartões que passa a 1,10% ao mês, a partir de 14 de maio. O banco não informou qual era a taxa anterior.

Futuras reduções – Setubal destacou em nota que o governo tem apresentado soluções técnicas importantes como a mudança no rendimento da poupança, e que há uma preocupação com o crescimento econômico. “Tudo isso gera um círculo virtuoso, que permite a queda dos spreads e da inadimplência, e que possamos contribuir ainda mais para o processo de transformação e desenvolvimento do Brasil”, declara Setubal. Ele fala ainda que continuará ajustando as taxas à medida que o Banco Central corte a taxa básica de juros, Selic.

(com Agência Estado)