Greve encolhe, e mobilização é marcada por protestos e bloqueios

Como nas manifestações anteriores, os protestos de hoje terminaram em confronto entre manifestantes e policiais no Rio e SP

O dia de greve e manifestações convocado pelas centrais sindicais para esta sexta-feira foi mais de protesto do que de paralisação. Em São Paulo, o maior ato aconteceu na avenida Paulista, em frente ao Masp.

Ao longo do dia, movimentos sociais, como o MTST, realizaram bloqueios em ruas da capital e em rodovias que cortam o Estado. Os manifestantes chegaram a ocupar o saguão do aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo. O acesso ao aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, também foi bloqueado.

Apesar de causar transtorno ao trânsito, esses bloqueios não duraram muito tempo e foram sendo desmontados ao longo do dia.

Os dois sentidos da avenida Paulista foram bloqueados no final da tarde, mas foram liberados no começo da noite pela Companhia de Engenharia de Trânsito.

Sem a adesão de metroviários, motoristas de ônibus e ferroviários, o dia de greve foi esvaziado. Isso fez com que São Paulo funcionasse normalmente, diferentemente das mobilizações anteriores – 15 de março e 28 de abril -, quando as ruas ficaram vazias.

O presidente da CUT, Vagner Freitas, acabou agradecendo o apoio que recebeu dos que aderiram à greve e protestos.

“Eu queria parabenizar a todos pela grande greve em nove Estados. A paralisação das estradas foi linda. Parabéns para a galera que foi parar o aeroporto de São Paulo. Somos vitoriosos porque ganhamos a opinião pública”, afirmou o presidente da CUT.

Segundo ele, o movimento de hoje serviu para acabar ‘com a moral deles’. “Ninguém quer a reforma trabalhista, a reforma previdenciária. O Brasil quer ‘fora Temer’. Estamos enfrentando o maior golpe da América Latina em anos. O que segura o movimento é a nossa garra e a nossa luta”, disse Freitas.

Nos outros Estados e Distrito Federal houve paralisação de algumas categorias e bloqueios em rodovias. Em São Paulo, o sindicato dos bancários aderiu à paralisação.

Protestos

Como nas manifestações anteriores, os protestos de hoje terminaram em confronto entre manifestantes e policiais no Rio de Janeiro e São Paulo.

No Rio de Janeiro, o confronto aconteceu próximo da avenida Presidente Vargas, na região central.

Em São Paulo, os manifestantes saíram em passeata da avenida Paulista em direção à sede da Prefeitura, no centro. No meio do trajeto, manifestantes encapuzados quebraram o vido do Mackenzie, na rua da Consolação.

Na frente da Prefeitura também houve confusão e uma manifestante foi detida pela polícia. A polícia lançou bombas de gás nos manifestantes encapuzados.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Toda vez que há confronto, sabemos que não se trata de povo; mas sim de vagabundos militantes petistas e seus satélites. Os de sempre! Vergonha alheia!

    Curtir

  2. Ataíde Jorge de Oliveira

    GReVE
    GR@VE
    GrAVIDEZ

    Curtir

  3. José Smigle

    Mais um vexame desses pelegos criados pelo petismo. Hoje, não conseguiram nem reunir os mortadeleiros transportados por ônibus de luxo fretados com o dinheiro que roubam dos trabalhadores. Chupa, pelego! Chora, petista!

    Curtir

  4. Tadeu Passarelli

    QUE RETARDADO DESMIOLADO!!! a paralisação das estradas foi LINDA??? Isso ganhou a OPINIÃO PÚBLICA???? êsse vagabundos não se enxergam???

    Curtir

  5. Hamilton Jgs

    O que esses vagabundo estão querendo na verdade é manter o desconto de 1 dia de trabalho que é descontado, ou melhor, sequestrado de nosso salário todos os anos. Com a reforma eles perdem isso.O país já está na situação que está exatamente devido um membro e criador destes famigerados sindicatos ter chegado ao poder e deixado o Brasil quebrado de tanto roubos .Chega de hipocrisia, a reforma pode ate não ser o que nós trabalhadores queremos más vem modernizar uma legislação caduca e falha.O que tem de ser feito é o dinheiro da previdencia ser investido para a previdência e não desviada como está sendo feita para outros setores.O exclarecimento e conhecimento que tem o trabalhador hoje não precisa de sindicatos pelegos para representar-los e roubarem o sangue e suor do trabalhador.

    Curtir

  6. Hamilton Jgs

    Vai dar Tadeu e ta dando!

    Curtir

  7. Julio Rodrigues Neto

    Será que, com esta onda de destruições, sobreviveremos até 2020 ? Para combater o PM ( Partido de Mentirosos ), Só mesmo, a PM ( Polícia Militar ).

    Curtir

  8. Jorge Luís dos Santos

    LULA É O MENTOR DESTA GREVE NACIONAL. LULA DEVE SER RESPONSABILIZADO CRIMINALMENTE PELOS PREJUÍZOS E VÍTIMAS. POR QUE A MÍDIA OMITE ESSA EVIDÊNCIA E CONSIDERA MANIFESTAÇÕES DESSA NATUREZA COMO SEM RESPONSÁVEIS DIRETOS? POR QUE A MÍDIA OMITE O FATO DE EXISTIR UM COMANDO CRIMINOSO ASSOCIADO AO PT RESPONSÁVEL PELAS PERIÓDICAS ANARQUIAS NAS QUAIS SOFRE A SOCIEDADE?

    Curtir