Governo estuda reduzir salários iniciais do funcionalismo público

Ideia é reduzir valores de ingresso no serviço público; pressão para reduzir gastos com pessoal é grande, mas governo deve enfrentar forte resistência

Sob pressão para reduzir os gastos com a folha de pessoal, o governo federal estuda rever o salário inicial das principais categorias de servidores. A ideia é reduzir valores dos salários de ingresso no serviço público, considerados altos, e ampliar a distância em relação à remuneração recebida pelo funcionário no final da carreira.

LEIA MAIS:
Brasileiro conhece pelo menos seis desempregados

Hoje, os servidores recém-aprovados em concursos públicos recebem salários muito elevados – bem acima dos registrados na iniciativa privada – e, em alguns casos, bastante próximos daqueles que estão no topo da tabela do plano de carreira.

No funcionalismo público federal, há salários iniciais que chegam perto de 30.000 reais. É o caso do consultor legislativo do Senado, que ganha no início de carreira 29.100 reais e, no final, 30.540 reais.

Já um advogado da União começa ganhando 18.280 reais e chega a um salário de 23.760 reais no fim da carreira, de acordo com levantamento feito pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, com dados do Ministério do Planejamento.

A pequena diferença salarial entre início e fim de carreira acaba sendo um incentivo para o aumento da pressão pelos “penduricalhos”, benefícios extras que se somam ao salários. É o que acontece agora com várias categorias que pleiteiam bônus de produtividade, como na Receita Federal.

Os integrantes da Advocacia-Geral da União (AGU), da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) e das procuradorias dos ministérios e do Banco Central já estão recebendo desde agosto honorários pelas causas ganhas pela União. Também serão autorizados a exercer advocacia privada, desde que não sejam causas contra o governo.

Na Receita, que tradicionalmente consegue se organizar com maior força para conseguir acordos mais vantajosos, o salário inicial é de 15.740 reais. Um delegado da Polícia Federal recebe salário inicial de 16.830 reais, enquanto um de fim de carreira ganha 22.810 reais.

“O nível salarial de entrada é muito elevado. Muito maior do que na iniciativa privada”, disse uma fonte da área econômica envolvida na discussões. Uma mudança nessa estrutura é complexa, polêmica e exigirá o envio de projetos de lei alterando as diversas carreiras. Mas, para a área econômica, esse debate ganha força nesse momento.

O economista Pedro Bastos, professor da Unicamp, acredita que os elevados gastos com pessoal são “desperdício de munição”, principalmente em meio à recessão. Integrante da corrente de economistas favoráveis à expansão do gasto público para atenuar a queda da atividade econômica, o professor avalia que o governo teve a chance de conter esse processo para tentar preservar investimentos, mas definiu prioridades de forma equivocada.

(com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Cesar8002UTB

    “bem acima dos registrados na iniciativa privada”

    Porque não elevam os da iniciativa privada? Ou o interesse é manter o Brasil na miséria eterna?

    Curtir

  2. Democrata Cristão

    Num país desenvolvido sempre, eu digo, sempre o setor privado paga mais que o setor público. Precisa acabar com estas aberrações, nem em países desenvolvidos juízes ganham o que um juiz brasileiro ganha, carro oficial é somente para Presidente da República. Precisa baixar estes salários e aposentadorias, mesmo de quem já se aposentou. Justiça começa aí.
    Querem aumentar o salário do trabalhador do setor privado? Comecem a reindustrialização do país.

    Curtir

  3. AguiaDoLest3

    Já passou da hora de reduzir, não faz sentido um funcionário público em início de carreira ganhar o que ganha.

    Curtir

  4. Carlos Eduardo

    Porquê não diminuem os deles também? Dessa forma o efeito cascata será muito maior. Mexer somente no direito dos outros é muito fácil. Porquê não acabam com os auxílios “paletó”, “moradia”, “gasolina”, etc. e tal. O efeito e o resultado seriam de longe muito melhor do que mexer com o funcionalismo.

    Curtir

  5. É claro, o governo pensa apenas em reduzir salários e aposentadorias. Por que não reduz os indecentes salários e as mordomias que eles políticos recebem? Por que não acabam com as imorais aposentadorias que parlamentares e juízes têm direito quando ‘trabalham exaustivos’ anos? É muito mais fácil levar milhares de trabalhadores à miséria, assim também é mais fácil dominar a população. Ainda mais sempre com o apoio da mídia que parece que os seus ‘jornalistas’ são todos milionários e pessoas que ao invés de lutar para melhorar os salários de todos os trabalhadores, lutam para arrastar os outros até a miséria onde se encontram.

    Curtir

  6. Felipe Atoline

    O que a matéria não conta é que esses aí são 0,001% do funcionalismo público em geral. Mas podem apostar que vão escapar facilmente do arrocho, que vai pelar mesmo nos 99,99% restante que ganha mal e leva o estado nas costas.

    Curtir

  7. Nelson Marchetto

    Essa possibilidade pode até nem ser preciso se, fossem cortados mais ministérios, mais funcionários e mais cargos de confiança. O governo continua muito inchado, no federal, nos estados e municípios, façam cortes aí!!!

    Curtir

  8. Fred Mancila

    Estuda??? O meu já foi reduzido…quando minha empresa fechou as portas. E o Estado, quando começará a ter vergonha na cara e começará a demitir? Na mesma proporção do setor privado?

    Curtir

  9. a matéria pega funcionários que não são nem 1% da máquina pública, pega por exemplo funcionário de prefeitura que ganha no máximo 2 salários mínimos e meio e analisa pra ver se é alto o salário…

    Curtir

  10. Martinus Felix

    Excelente iniciativa!

    Curtir

  11. Adriano Santos

    O setor Público deve passar por uma readequação como ocorre na iniciativa privada ou haverá ainda mais concentração da renda no pais. Deve rever não apenas o salário, mas também a carga horária de trabalho que na iniciativa privada é muito maior.

    Curtir

  12. Cristhiano Daniel Fritzen

    Não consigo entender por que nunca é o salário de “Vossas Excelências” que é estudado para baixar…

    Curtir

  13. Gilberto Goes Junior

    Que Mexam nas Mordomias de Políticos,Terá um Resultado que vai Agradar a População,na Hora de Sangrar só o Pobre e Lembrado,A Maldita Terceirização que Reduz os Nossos Salários,Um Exemplo e seu Paulinho da Força Sindicalista Maldito, ele é Dono de varias Firma Terceirizadas que Exploram as pessoas e pagam Um salario minimo sem Beneficio nenhum,Ai querem que sejamos iguais,Vamos ficar de olho na Reforma trabalhista ou vamos virar escravos desses Malditos parasitas

    Curtir

  14. Vinícius Garcia

    Só que na iniciativa privada, têm-se diversos beneficios que não possuem os servidores. só se esquecem disso. se for igualar à iniciativa privada que se iguale tudo então.

    Curtir

  15. Marcio Pinto

    Nao e justo nem eficaz e produtivo este rebaixamento do salario inicial se nao houver um sistema meritocratico objetivo que permita o reconhecimento individual objetivamente Para ascensao dentro da carreira tecnica e de gestao.

    Curtir

  16. Federico Bottino

    Esses altos salários no inicio de carreira e com diferenças tão pequenas em relação ao que esta em fim de carreira acaba sendo um desmotivador, pois, sabe o funcionário que se fizer ganha e se não fizer também ganha então já tendo estabilidade deixa a passar a bola.

    Curtir

  17. agora baixar salários de políticos ninguém fala, né? sem contar que políticos já começam ganhando salário de fim de carreira

    Curtir

  18. Napoleao Gomes

    Siiiimmm, o problema do Brasil não é corrupção, são os funcionários públicos!!!

    Curtir

  19. Fabiano Ferraro

    A prioridade deveria ser mudar o sistema runeratorio no Judiciário e Ministerio Público, que iniciam a carreira ganhando acima do teto do funcionalismo público, recebendo benefícios auto-instituídos e imorais como o Auxilio-Moradia. Mas para estes abastados, Temer se esforça na aprovação da elevação do teto remuneratório. É muita hipocrisia!

    Curtir

  20. Geraldo Albino De Oliveira

    é imoral a quantidade de assessores que um parlamentar tem e uma verba a cada 3 meses para publicidade de 90,000,00 isso mesmo noventa mil reais isso é vergonhoso só no BRASIL o quarto pais mais corrupto do mundo.

    Curtir