Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Governo descarta resultado positivo para setor público até 2020

Serão sete anos consecutivos de dados negativos: o Brasil acumula déficits primários desde 2014

O governo anunciou nesta terça-feira novas e maiores metas de déficit primário, que subirão a 159 bilhões de reais neste e no próximo ano, confirmando a tendência de deterioração das contas públicas.  Com a revisão da meta, a equipe econômica também retirou de seu horizonte a previsão de um superávit primário para o setor público consolidado até 2020.

Antes do anúncio desta terça-feira, a expectativa era que o Brasil teria um superávit de 23,2 bilhões de reais em 2020. Agora, a estimativa passou para um rombo de 51,8 bilhões de reais nas contas públicas.

Com isso, serão sete anos consecutivos de dados negativos: o Brasil acumula déficits primários desde 2014.

Para 2019, a perspectiva de déficit foi substancialmente piorada a 137,8 bilhões de reais, contra 63,8 bilhões de reais antes.

Já para este ano e o próximo, as metas de déficit para o setor público foram revisadas a 163,1 bilhões de reais e 161,3 bilhões de reais, respectivamente, contra 143,1 bilhões de reais e 131,3 bilhões de reais anteriormente.

Ao fazer o anúncio das metas de 2017 e 2018, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, justificou as mudanças diante da queda “substancial” na arrecadação.

Meirelles afirmou que as medidas anunciadas hoje mostram que o governo está no limite da capacidade de redução de gastos. “São proposta duras, rigorosas, mostrando seriedade do ajuste fiscal do Brasil.”

Entre as medidas anunciadas para fechar o rombo das contas públicas está o adiamento do reajuste dos servidores, achatamento dos salários iniciais e aumento da contribuição previdenciária da categoria.

“Se fizer um resumo é de que estamos fazendo um corte de despesa de relevante das despesas discricionárias, aquelas que podemos mexer. Gostaria de lembrar que a maior parte das despesas são obrigatórias, como a Previdência.”

Ele voltou a defender a reforma da Previdência e disse acreditar que ela pode entrar na pauta de votação do Congresso ainda neste ano.

(Com Reuters)