GM prevê crescimento de 5% no Brasil em 2011

Montadora espera vender 700 mil veículos no país este ano

A montadora General Motors (GM) projeta um crescimento anual de 5% a 7% até 2015 no mercado sul-americano, centrado em suas operações no Brasil. Segundo o presidente da montadora para a América do Sul, Jaime Ardila, a GM e outras montadoras se beneficiam do crescimento econômico e da estabilidade política da região. “Estes são grandes exportadores de commodities e todos se beneficiaram da demanda da China”, afirmou o executivo, citando os efeitos da alta do preço das commodities no mercado mundial como um dos principais fatores de geração de riqueza na região.

A GM vendeu mais de um milhão de veículos na América do Sul em 2010 e acredita que pode elevar o número a 1,5 milhão nos próximos cinco anos. O Brasil representa 65% desse bolo e, em 2010, foi responsável pelas vendas de 658.000 unidades. A empresa com sede em Detroit está presente no país desde 1925, uma de suas primeiras operações fora dos Estados Unidos. Em 2010, a empresa trocou de presidente – a executiva Denise Johnson pediu demissão após ficar apenas 8 meses no cargo. Em seu lugar, assumiu a americana Grace Lieblein, que presidia as operações da montadora no México.

Desafios do setor – Para Jaime Ardila, um dos principais desafios da GM no Brasil é a valorização do real em relação ao dólar, que dificulta a competividade dos bens.”O Brasil não é mais um país de baixo custo”, afirma. Além disso, o executivo mencionou os problemas de infraestrutura, que precisam ser corrigidos para manter o rápido crescimento do país. Em fevereiro deste ano, Ardila disse ao site de VEJA que outras questões que geravam precupação, além da valorização do real, seriam a subida da inflação e o aumento dos juros – sendo o primeiro problema o mais grave. “Se os juros sobem, as pessoas dão um jeito de fazer a parcela caber no bolso. Já quando o orçamento está comprometido com despesas fixas mais altas, como supermercado, é preocupante”, afirmou na época.

Mercado – O Brasil é o quarto maior mercado mundial de automóveis. A participação da GM no mercado brasileiro foi de 19,9% ano passado, o que deixou a empresa em terceiro lugar, atrás da Volkswagen e da Fiat. “Esperamos vender 700 mil veículos este ano”, disse Ardila. De acordo com as estimativas da montadora, o Brasil será um mercado de 5 milhões de unidades – enquanto a América do Sul chegará a 7 milhões de unidades em 2015. A empresa registrou lucro de 800 milhões de dólares na América do Sul em 2010. Em todo o mundo, o lucro da montadora foi de 4,7 bilhões de dólares – o primeiro resultado no azul após a crise financeira.

(Com AFP)