Fortune: Graça Foster é a executiva mais poderosa pelo 2º ano

O ranking levou em conta a trajetória da executiva, sua influência social e cultural, o sucesso e a condução dos negócios e a importância da empresa no cenário mundial

A presidente da Petrobras, Graça Foster, foi eleita pelo segundo ano consecutivo a executiva mais poderosa no ranking global da revista americana Fortune. Na elaboração da lista, foram consideradas mulheres que atuam em diferentes setores e países, com exceção dos Estados Unidos.

O ranking levou em conta a trajetória da executiva, sua influência social e cultural, o sucesso e a condução dos negócios e a importância da empresa no cenário mundial.

Na segunda colocação ficou Güler Sabanci, da Sabanci Holdi da Turquia e, na terceira, Gail Kelly, da Westpac da Austrália. Na 23ª colocação apareceu outra brasileira: Claudia Sender, presidente da TAM.

Leia também:

Graça Foster se anima com petróleo em Sergipe: ‘é excepcional’

Graça diz que não há previsão para alta de combustíveis

‘Forbes’ lista as dez empresárias mais poderosas do Brasil

Trajetória – Nascida em Caratinga, Maria das Graças Silva se formou em Engenharia Química pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e conta em seu currículo com um mestrado na área, pós-graduação em Engenharia Nuclear e MBA em Economia pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Conhecida por sua postura rígida e seu vício em trabalho, a executiva é a única mulher no comando de uma das vinte maiores empresas do mundo.

A história de Graça Foster na Petrobras começou em 1978, quando foi admitida como estagiária no Cenpes, no setor de lubrificantes, aditivos e graxas. Desse momento em diante, seu trabalho e competência a levaram para cargos de maior responsabilidade e fizeram dela a primeira mulher a assumir um cargo de diretoria na estatal. Depois de ter sido engenheira de perfuração, Graça tornou-se secretária de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia, setor até então chefiado pela presidente Dilma Rousseff. Entrou para o comando da petrolífera no começo do ano passado e, em 2013, completou 35 anos de trabalho na companhia.

(com Estadão Conteúdo)