Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Fluxo de veículos em vias pedagiadas sobe 6,6% no ano

Por Renata Pedini

São Paulo – O fluxo total de veículos nas estradas pedagiadas do Brasil cresceu 6,6% em 2011 na comparação com 2010, segundo o Índice ABCR de Atividade da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR), calculado em parceria com a Tendências Consultoria Integrada. Na mesma base de comparação, o fluxo de veículos leves cresceu 6,5% e o de pesados, 6,8%. O fluxo de veículos nas estradas pedagiadas é um dos principais indicadores antecedentes de atividade econômica e renda do País.

“O fluxo de veículos dos últimos 12 meses veio muito acima do crescimento do PIB, que deverá fechar o ano de 2011 um pouco abaixo de 3%”, avaliou Juan Jensen, economista da Tendências em nota. “Isso se deve aos veículos leves, que apresentaram boa movimentação durante todo o ano, ao PIB do agronegócio, com destaque positivo no terceiro trimestre, e ao aumento das importações, que ajudou na movimentação das estradas, compensando a queda da produção industrial”, acrescentou.

Dezembro

No ultimo mês do ano o fluxo total de veículos nas estradas pedagiadas do País subiu 0,5% na comparação com novembro, considerando dados dessazonalizados. O fluxo de veículos leves cresceu 0,2% e o de pesados, 0,7%, na mesma base de comparação, também em termos dessazonalizados.

“O bom desempenho dos leves está relacionado com o mercado de trabalho, que apresenta dados de emprego ainda em crescimento, e ao aumento de renda e do crédito”, afirmou o economista da Tendências, Juan Jensen, em nota enviada à Agência Estado. Em relação a 2012, ele acredita que o impacto do aumento do salário mínimo deverá ser incorporado diretamente na movimentação dos veículos leves. No segmento de veículos pesados, o fluxo em dezembro “mostrou leve alta, em linha com outros indicadores antecedentes da indústria”, afirmou.

Na comparação do resultado de dezembro de 2011 com dezembro de 2010, o índice total aumentou 3,1%, o fluxo de veículos leves cresceu 2,9% e o de pesados teve alta de 4,0%.