Britânico e finlandês dividem Nobel de Economia

Oliver Hart, professor de economia da Universidade Harvard, e Bengt Holmström, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, têm em comum estudo de contratos

O britânico Oliver Hart, 68 anos, professor da Universidade Harvard, e o finlandês Bengt Holmström, de 67 anos, professor de Economia do Instituto de Tecnologia de Massachusetts  (MIT) – ambas instituições nos Estados Unidos – venceram nesta segunda-feira o prêmio Nobel de Economia 2016. Seus estudos tem como objeto os contratos. O prêmio foi anunciado hoje em Estocolmo, na Suécia, às 11h45 (6h45 horas, no horário de Brasília) pela Academia Real Sueca de Ciências.

Leia também:
Meirelles ganha apoio do FMI na PEC do teto dos gastos
Temer se reúne com líderes da base para discutir PEC do teto

“As  muitas relações contratuais na sociedade incluem aquelas entre acionistas e altos executivos, uma companhia de seguro e proprietários de carros, ou uma autoridade pública e seus fornecedores. Como essas relações tipicamente causam conflitos de interesse, contratos precisam ser devidamente desenhados para garantir que as partes tomem decisões mutuamente benéficas”, diz o texto do Nobel.

No final da década de 1970, Holmström demonstrou como deveria ser um modelo ideal de contrato entre um dirigente, como um acionista de uma empresa, e um agente cuja ação é parcialmente não observada por ele, como o CEO dessa empresa. Na teoria do professor do MIT, o acordo deveria relacionar a remuneração do agente a informações relevantes sobre sua performance, balanceando riscos e incentivos. Em trabalhos posteriores, Holmström expandiu esse modelo para outras situações mais genéricas, como quando empregados realizam várias tarefas, mas só uma parte do desempenho é analisada pelos gestores, ou quando membros de uma equipe “pegam carona” no trabalho dos demais.

Já em meados da década seguinte, 1980, Hart explorou a teoria sobre contratos incompletos, partindo do princípio que é impossível prever num acordo todas as situações. As pesquisas do acadêmico de Harvard tentam indicar qual das partes deve ter o poder de decisão e em quais circunstâncias. A partir de suas teorias, é possível discutir questões como que tipos de empresas deveriam se fundir, a proporção ideal entre financiamento próprio e através de dívida, e se instituições públicas, como escolas ou prisões, deveriam ser privatizadas ou não.

Além do título, os vencedores do prêmio concedido pelo Sveriges Riksbank (Banco Nacional da Suécia) em memória de Alfred Nobel dividiram 8 milhões de coroas suecas – o equivalente a 2,98 milhões de reais.

No ano passado, o prêmio foi vencido pelo  britânico Angus Deaton, de 69 anos, professor de Economia e Relações Internacionais da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos. Seus estudos têm como tema a análise do consumo, pobreza e bem-estar social

Nobel de medicina premia estudo que ajuda na luta contra o câncer
Nobel de física premia trio de pesquisadores britânicos
Nobel de química premia trio por criação de máquinas moleculares
Presidente da Colômbia ganha o prêmio Nobel da Paz