Fed mantém juros, mas abre caminho para aumento ainda em 2016

Na anúncio, BC americano disse que os riscos de curto prazo à economia dos EUA diminuíram

O Federal Reserve, banco central americano, anunciou nesta quarta-feira a manutenção dos juros no atual patamar, no intervalo entre 0,25% e 0,50% ao ano. Na anúncio, o Fed disse que os riscos de curto prazo à economia dos Estados Unidos diminuíram, o que abre as portas para a retomada do aperto monetário ainda neste ano.

“Os riscos de curto prazo à perspectiva econômica têm diminuído”, disse o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) em comunicado após dois dias de reuniões. A presidente do Fed de Kansas City, Esther George, foi a única dissidente na reunião desta semana. Ela foi a favor de elevar os juros em três das últimas quatro reuniões.

O BC americano informou que a economia cresceu em ritmo moderado e os ganhos no emprego foram fortes em junho. Além disso, os gastos das famílias também vinham “crescendo fortemente” e destacou um aumento da utilização da força do trabalho.

Embora autoridades do Fed tenham dito que continuam a monitorar de perto os dados de inflação e os acontecimentos econômicos e financeiros globais, elas indicaram menos preocupação com possíveis choques que possam tirar a economia americana dos trilhos.

Leia também:
Cepal: Brasil puxará retração de 0,8% da América Latina em 2016
Brasil foi país que mais aplicou barreiras a importados, diz OMC

O Fomc ressaltou, porém, que as expectativas de inflação ficaram, no geral, pouco inalteradas em relação aos meses anteriores.

O Federal Reserve tem mantido os juros desde dezembro, quando elevou-os pela primeira vez em quase uma década e sinalizou planejar mais quatro aumentos em 2016. Essa perspectiva foi reduzida para dois aumentos neste ano após autoridades do Fed divulgarem novas projeções, nas quais também reduziram suas estimativas de crescimento no longo prazo para a economia dos EUA.

Há ainda mais três reuniões do Fed neste ano, em setembro, novembro e dezembro. Uma alta de juros em novembro é vista como improvável porque o encontro ocorrerá uma semana antes das eleições presidenciais.