Ex-executivo do Goldman é condenado por informação privilegiada

NOVA YORK, 15 Jun (Reuters) – Rajat Gupta, reconhecido empresário que já ocupou um cargo no conselho do Goldman Sachs, foi condenado nesta sexta-feira por vazar informações confidenciais de um banco de investimento no auge da crise financeira, em uma vitória para os promotores que buscam acabar com os casos de insider trading em Wall Street.

A corte federal de Manhattan entregou o veredito no segundo dia de deliberações, considerando que Gupta passou informações para seu amigo e gerente de hedge fund, Raj Rajaratnam, que havia obtido por meio de encontros confidenciais do conselho do Goldman.

Gupta também já ocupou um cargo na diretoria da Procter & Gamble e já foi um executivo na consultoria McKinsey. Ele é a pessoa de maior notoriedade condenada na ofensiva do governo norte-americano nos últimos anos sobre negociações ilícitas envolvendo hedge funds e consultores financeiros.

Gupta, que tem 63 anos, foi considerando culpado em três acusações de fraudes de valores mobiliários e uma de conspiração. O júri absolveu-o em duas outras acusações.

Ele poderá ficar até 25 anos na prisão. A sentença máxima para fraudes de valores mobiliários é de 20 anos e a máxima para conspiração é de 5 anos, porém, parece improvável que ele receba toda essa punição.

Rajaratnam foi condenado em 14 acusações de fraudes de valores mobiliários e conspiração no ano passado, e está cumprindo 11 anos de prisão.

(Por Grand McCool e Basil Katz)