Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ex-CEO da Siemens no Brasil é suspeito de desviar até 6 milhões de euros

Adilson Primo foi desligado da empresa alemã depois que investigações o ligaram às irregularidades

A Siemens oficializou nesta terça-feira a nomeação de Paulo Ricardo Stark como novo presidente das operações da empresa no país

Na Alemanha, o caso já é tratado como o maior escândalo corporativo do Pós-Guerra

Logotipo Exame.com

Logotipo Exame.com (VEJA)

A Siemens demitiu nesta terça-feira Adilson Antônio Primo da presidência da empresa no Brasil por conta das suspeitas da participação do então CEO em um esquema de corrupção que teria desviado até 6 milhões de euros da empresa.

Segundo informações do jornal alemão Handelsblatt, as investigações internas encontraram evidências de irregularidades sendo praticadas antes de 2007. O processo de investigação continuou até este ano, quando novas evidências apontaram que o montante desviado teria sido transferido para uma conta privada não-identificada.

Com a ajuda das autoridades brasileiras, a empresa encontrou possíveis conexões entre Primo e a tal conta, indicando que ele poderia ser o responsável pela irregularidade. Ainda de acordo com a publicação, não se sabe se o dinheiro foi usado para fins pessoais ou no financiamento de subornos.

Escândalos relacionados a corrupção e pagamento de subornos a autoridades não são exatamente uma novidade para a empresa. Entre 2006 e 2008, a Siemens foi alvo de uma extensa investigação de autoridades americanas e que abrangeram tanto operações da companhia nos Estados Unidos, quanto em outros países – Brasil inclusive.

De acordo com a agência de notícias Bloomberg, a Siemens está investigando suspeitas de corrupção e desvio de dinheiro em doze países onde opera. O caso já é tratado, na Alemanha, como o maior escândalo corporativo do pós-guerra.

A Siemens oficializou nesta terça-feira a nomeação de Paulo Ricardo Stark como novo presidente das operações da empresa no país.

A reportagem de VEJA não conseguiu contato com advogados de Primo. Da sede da Siemens, em São Paulo, obteve a informação de que o ex-CEO está na Alemanha.