Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em 13 anos, salário público subiu três vezes mais que o privado

O governo do presidente Michel Temer tenta aprovar uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que limita os gastos públicos

Os salários médios do funcionalismo público subiram, em termos reais (acima da inflação), 33% entre janeiro de 2003 e janeiro de 2016, enquanto na iniciativa privada esse aumento foi de 10%. O levantamento, feito com base em cruzamento de dados oficiais pelo consultor legislativo do Senado Marcos Köhler, confirmam as queixas do governo federal, governadores e prefeitos sobre o crescimento do custo da folha salarial dos servidores nas despesas públicas. Em 13 anos, pulou de cerca de 880 reais para 1.650 reais a disparidade média entre o que ganha um funcionário do Estado e um profissional do setor privado.

O governo do presidente Michel Temer tenta aprovar uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que limita os gastos públicos a fim de atrelar o crescimento das despesas à inflação do ano anterior. A medida tem por objetivo impedir, entre outras questões, aumentos reais do crescimento da folha de pagamento do serviço público, contendo assim a explosão dos déficits orçamentários que vem sendo registrada nos últimos anos.

O estudo comparativo de Köher, com dados compilados da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que o rendimento mensal médio em 12 meses do funcionário público era de 2.897 reais no início de 2003. O crescimento, quase linear, só registrou três quedas no período, nos anos de 2004, 2014 e 2016, quando atingiu 3.860 reais — alta de 33,24%. Na iniciativa privada, por sua vez, o crescimento dos salários foi mais lento e menor, subindo de 2.012 reais no início de 2003 para 2.210 reais em janeiro deste ano, um aumento de 9,84%.

Diferença crescente — O levantamento indica que a diferença entre o rendimento médio do setor público e o privado entre 2003 e 2016 quase dobrou, com intervalos de queda no segundo ano do governo Lula, em 2004, e no início do segundo mandato de Dilma Rousseff, em 2014. A diferença salarial entre as categorias de trabalhadores atingiu 75% – era de 44% no início da série.

Outro dado ilustra o peso do custeio dos servidores. Os empregados das 10 categorias com maiores vencimentos no setor público, que somam um contingente de 255 mil pessoas – nas três esferas de governo – ganham em média 272.000 reais anuais. Os cerca de 36,8 milhões de empregados da iniciativa privada recebem por ano 23.300 reais em média.

Para o consultor, o calcanhares de aquiles dos problemas fiscais que a União e os Estados enfrentam é a questão salarial do funcionalismo, que causa impacto direto na previdência pública, já que o benefício da aposentadoria é pago, de modo geral, em sua integralidade. Köhler defende que a medida mais eficaz para acabar com os sucessivos déficits orçamentários seria o congelamento temporário de aumentos de servidores, a fim de reduzir o endividamento público.

Oposição — Uma mudança constitucional que contemplasse essa medida, destacou o consultor, seria politicamente mais simples de aprovar. Ele argumenta que há uma oposição à PEC do Teto, alegando que vai haver redução de investimentos também nas áreas da Saúde e de Educação com sua eventual introdução.

“A regra do congelamento salarial seria mais simples, não teria oposição popular e seria mais fácil verificar o cumprimento dela, além de ser menos injusta e menos perigosa”, avaliou Kölher, que foi cedido para atuar no gabinete do senador José Aníbal (PSDB-SP).

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Francisco Noronha

    Infelizmente algumas pessoas ainda preferem acreditar nas desinformação, um levantamento feito por órgão presidido por Renan Calheiros, aquele que com LEWANDOWSKI e Lindenberg fatiaram a Constituição Federal e salvaram a dilmanta, q vetou o reajuste do judiciário enquanto comparsas levavam a mancheias dos cofres do mensal petrolão, eletrolão, bnds, fundos de pensão entre tantos, e só produz algo assim , falso, tendencioso, com o fim claro de transferir dos governos CORRUPTOS p os trabalhadores do setor público a responsabilidade pelo destroço do país

    Curtir

  2. Francisco Noronha

    Porém, não imaginava a Veja e Estadão fazendo tamanha traição com a verdade, com as duzentas mil famílias de servidores do judiciário Federal que sofreram dez anos de congelamento salarial, e o último projeto, qdo implementado sequer repora as perdas sofridas no período dos últimos dez anos de um governo corrupto e incopetente

    Curtir

  3. Fábio Luís Inaimo

    Sei, então melhor é ter 40% de inflação ao mês!? Quanta asneira deus do céu!!

    Curtir

  4. Fábio Luís Inaimo

    Quem gosta de inflação pode ir pra Venezuela, lá é assim que o governo premia os eficientes!

    Curtir

  5. Nestor Almeida

    Até quando vamos aguentar esta vergonhosa disparidade? O que tem o funcionário público melhor do que o privado??! NADA, SÓ TEM DE MENOS POIS NÃO TRABALHAM COMO DEVERIAM

    Curtir

  6. toda vez que vejo declarações contra o funcionário público, me revolta, a roubalheira neste país, está sendo descoberta e punida, justamente por funcionários públicos, há categorias que estão a decadas sem aumento, temos sim que ter a pena de morte neste país pra quem rouba a nação o terrorista petista José Dirceu é o exemplo dos assassinos da pátria, pensem e reflitam sobre isso.

    Curtir