Economistas preveem alta da Selic de meio ponto porcentual já nesta semana

Banco Central divulga nesta quarta a nova taxa básica de juros do país; para dezembro de 2016, projeção é de taxa de 15,25%

Economistas ouvidos pela agência Reuters preveem que a taxa básica de juros será elevada em meio ponto porcentual nesta semana. Na pesquisa Focus, divulgada pelo Banco Central nesta segunda-feira, por sua vez, a projeção de juros de 15,25% para o fim do ano foi mantida.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC divulga na quarta-feira sua decisão sobre os juros básicos, atualmente em 14,25%. No mercado futuro de juros, os contratos apontam chance de 61% de alta de 0,5 ponto porcentual nesta semana.

Apesar das críticas de que um aumento da Selic pioraria a crise fiscal e a recessão, pesquisa da Reuters mostra que 48 dos 59 economistas consultados esperam que o BC eleve a taxa em meio ponto porcentual, para o maior nível desde meados de 2006. Para 2017, segundo a pesquisa Focus, a mediana das projeções é de Selic a 12,88%. Na semana anterior, a previsão era de 12,75%.

Ainda assim, o cenário inflacionário segue em deterioração, e a expectativa para a alta do IPCA em 2016 subiu em 0,07, a 7%. Esse patamar estoura a meta do governo, de 4,5%, com tolerância de chegar a até 6,5%. Para 2017, a meta é de 4,5%, mas com tolerância menor, de 1,5 ponto porcentual. Na pesquisa Focus, a estimativa subiu de 5,20% para 5,40% entre a semana passada e a atual.

A pesquisa com uma centena de economistas apontou ainda manutenção na expectativa para a atividade econômica este ano, com projeção de contração do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,99%. Divulgado na última sexta-feira, o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) seguiu trajetória de baixa em novembro, pavimentando o caminho para o Brasil ter fechado 2015 com mais um trimestre no vermelho.

Por outro lado, para 2017, a Focus mostrou melhora na previsão, com estimativa de expansão de 1% do PIB. Na semana passada, a previsão era de 0,86%.

Leia mais:

Brasil está mais exposto à crise do petróleo, diz consultoria

(Com Reuters)