Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Definição de nova meta fiscal fica para 2ª feira, diz governo

Michel Temer se reuniu com equipe econômica e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, no Planalto nesta manhã, e havia expectativa do anúncio hoje

A definição de uma nova meta fiscal para o resultado primário de 2017 foi adiada para segunda-feira, segundo informações do Ministério do Planejamento. O presidente Michel Temer se reuniu no final da manhã desta quinta-feira com o chefe da pasta, Dyogo Oliveira, da Fazenda, Henrique Meirelles, outros membros da equipe econômica e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Havia a expectativa de que o anúncio da nova meta fosse feito ainda nesta quinta-feira.

A meta atual para o rombo das contas públicas no ano é de um déficit de 139 bilhões de reais. O mercado estima que o governo fechará o ano com um déficit maior, de 154,81 bilhões de reais, segundo Boletim Prisma divulgado nesta quinta-feira pelo Banco Central. O déficit primário do governo central acumulado até junho é de 56,092 bilhões de reais, o maior para o período na série histórica iniciada em 1997.

Disputa

Até a véspera, trabalhava-se com a ideia de mudança na meta apenas em setembro, quando será publicado novo relatório de receitas e despesas. A disputa dentro do governo estava intensa, com parte do Planalto alinhada com o Ministério do Planejamento no intuito de promover a mudança.

Mas a Fazenda ainda preferia esperar mais para manter a mensagem de maior austeridade. O ministro da pasta, Henrique Meirelles, chegou a dar uma série de declarações nesse sentido, apontando que ainda era cedo para anunciar qualquer mudança e que isso deveria ser em feito em 60 dias ou menos.

Rombo

Com os gastos em alta e receitas em queda, a equipe econômica tem contingenciado despesas e estudado medidas como aumento de impostos para sanar as contas públicas. O aumento do PIS/Cofins sobre os combustíveis, em julho, foi uma tentativa de aumentar a arrecadação em 13 bilhões de reais neste ano.

Outra medida que estava em estudo pelo Ministério da Fazenda era aumentar o imposto de renda. A informação motivou o presidente Michel Temer a divulgar nota negando a possibilidade, em razão da repercussão.

(Com Reuters)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Gilberto Mendes

    Uma coisa é certa, se esse GOVERNO não fizer as REFORMAS, o PRÓXIMO se eleito um candidato GESTOR pode ser que conseguimos nos livrar da LAMBANÇA petista lá para 2020. Enquanto isso não acontecer o Brasil não será levado a serio mais, pois os PETISTAS jogaram o nome do brasileira na LATA DO LIXO.

    Curtir

  2. jose neves silva

    Enquanto não diminuir os previlégios e regalias nos três poderes da República,previlégios e regalias que o trabalhador comum não tem mas tem de pagar a conta dos previlegiados com as altas taxas e impostos recolhidos aos cofres das fazendas públicas,união,estados e municípios, enquanto a saúde,a educação,o transporte,a segurança e o bem-estar da população está um frangalho.O Brasil é um País que poucos têm demais e outros nada têm,é um vergonha como diz um âncora de tv.

    Curtir