De olho na inflação, governo reduz a zero imposto de importação de feijão

Com queda da produção nacional, governo quer facilitar compra externa para evitar escalada de preços e mais pressão da inflação

O governo anunciou nesta terça-feira a redução de 10% para zero do Imposto de Importação de vários tipos de feijão, com o objetivo de conter a alta dos preços do produto no mercado interno, em mais um esforço para controlar a inflação. A medida é temporária e entra em vigor na terça-feira, com a publicação no Diário Oficial da União. O benefício termina no dia 30 de novembro deste ano.

“A redução da alíquota tem o objetivo de facilitar a compra externa, aumentar a oferta de feijão no mercado brasileiro e reduzir o preço do produto, já que houve queda da produção nacional e ainda não há perspectivas de aumento da oferta doméstica”, informou o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) em comunicado. O comunicado informa que a redução aplica-se ao feijão preto classificado com o código 0713.33.19 da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM) e de outros tipos de feijão, que não branco, com o código NCM 0713.33.99.

Leia mais: Tomate abandona posto de vilão da inflação – preço cai 10%

Tombini diz que inflação mantém tendência de alta

Em maio, os preços do feijão carioca e do feijão preto avançaram 7,23% e 2,78%, respectivamente, no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), acumulando no ano até o mês passado alta de 44,17% e 7,24%.

Nos 12 meses encerrados em maio, o IPCA acumulou alta de 6,50%, exatamente no teto da meta do governo. Mas em meados do mês, o acumulado da inflação aumentou ainda mais. O IPCA-15, divulgado na última sexta-feira, mostrou alta de 6,67% no acumulado de 12 meses.

(com agência Reuters)