Das 200 maiores empresas do Brasil, apenas três têm uma mulher no comando

A dupla jornada - em casa e no trabalho -, a falta de oportunidades e também o preconceito são alguns dos motivos que explicam a brutal diferença

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), já atestou que as mulheres recebem, em média, 74,5% dos salários dos homens no país. Mas o fosso entre gêneros não se restringe aos trabalhadores assalariados: das 200 maiores empresas brasileiras, apenas três têm uma mulher no seu posto mais alto de comando.

Claudia Sender, principal executiva da TAM, Solange Ribeiro, da Neoenergia, e Sinara Chenna, da Copasa, são as únicas mulheres em um universo predominantemente masculino. O levantamento, feito pelo site de VEJA na semana que antecedeu o Dia Internacional da Mulher, celebrado neste 8 de março, usou como critério a receita líquida das companhias e considerou apenas as profissionais que ocupam o principal posto executivo. Não foram considerados os nomes que eventualmente ocupem a presidência de conselhos de administração.

A dupla jornada – em casa e no trabalho -, a falta de oportunidades e também o preconceito são alguns dos motivos que explicam o fato de apenas 1,5% das 200 maiores empresas brasileiras terem uma mulher em seu comando, a despeito de 57% dos recém-formados nas universidades serem mulheres. “O Brasil resistiu muito à discussão de gêneros, sempre levando o tema na brincadeira, e isso fez com que não houvesse evoluções práticas”, diz Regina Madalozzo, professora do Insper que se dedica a pesquisas sobre a atuação feminina no mercado de trabalho.

Segundo a professora, na percepção da maioria das empresas, as mulheres não têm o que é necessário para conseguir chegar a um cargo de CEO (sigla em inglês para principal executivo). “Se ela é comunicativa e pede muita opinião, é considerada ‘soft’ demais”, afirma. “Mas se ela tiver um perfil mais agressivo, falar de maneira mais firme, ela é agressiva demais. Há uma avaliação muito mais dura de comportamento das mulheres em relação ao dos homens.”

Outro fator para o fosso entre homens e mulheres no comando de grandes empresas é que as mulheres não foram treinadas para competir como os homens foram, acredita a professora. “No passado, era feio uma mulher competir”, afirma. “É preciso que as empresas façam programas de mentoria para mostrar às mulheres como e de que maneira competir.”

Divisão do trabalho doméstico – O mais recente Relatório de Desigualdade de Gênero do Fórum Econômico Mundial, publicado em novembro de 2015, mostra que os países nórdicos europeus são os mais equilibrados profissionalmente. A Islândia, primeira colocada entre os países com maior igualdade no trabalho para mulheres, é um exemplo disso. Um dos motivos que explicam esse equilíbrio, segundo o relatório, é a grande participação masculina na divisão de trabalho doméstico, o que faz com que sobre mais tempo para as mulheres se dedicarem a seus empregos e buscarem melhores posições.

No Brasil, 85º colocado no ranking do Fórum, que analisou 145 países, a sobrecarga de mulheres que têm que se dividir entre a vida profissional e os afazeres domésticos é um dos maiores responsáveis pela falta de mulheres em altos cargos – e quem diz isso é uma das exceções no universo dos altos executivos. ” Tanto a minha vida quanto a do meu marido, que também trabalha, são muito puxadas, mas mesmo assim há uma divisão de tarefas em casa”, diz Solange Ribeiro, CEO da Neoenergia. “Esse apoio é muito importante.”

Claudia Sender, presidente da TAM, conta que também chegou a um equilíbrio em sua casa. “Tenho um parceiro que abraçou a causa da liderança feminina comigo, me ajudou a pensar mais alto, sempre acreditou e me apoiou dentro e fora de casa. Isso faz com que a jornada seja mais fácil”, diz.

Leia também:

Relação de vagas de trabalho por candidato cai 30% em 2015, diz pesquisa

Que CEO? Dois de cada três brasileiros não sabem o nome de nenhum alto executivo

Conheça Eric Jackson, o investidor-ativista que atormenta a vida dos CEOs americanos

Nova presidente da TAM, Claudia Sender

Nova presidente da TAM, Claudia Sender (VEJA)

Mudança na base – Nessas duas empresas de exceção, o protagonismo feminino não se restringe ao cargo mais alto. A diretoria da Neoenergia tem sete integrantes, sendo três mulheres e quatro homens. Na TAM, metade da diretoria é composta por mulheres. “Ainda somos minoria, mas o quadro pouco a pouco vem mudando”, diz a CEO da empresa aérea.

A TAM determinou que ao menos uma mulher será sempre avaliada em processos para a definição de cargos de liderança. Não há, assim, uma cota a ser preenchida, mas a abertura de oportunidades para que mulheres assumam, por mérito, postos de chefia. E não se trata apenas de uma questão de gênero, mas de estratégia empresarial. “Uma liderança homogênea corre o risco de criar um produto que não vai agradar a tanta gente”, diz a CEO da TAM.

Outras empresas, que – ainda – não têm uma mulher no comando ou em seus principais postos executivos, já trabalham para equilibrar a balança. Companhias como IBM, Boticário, Natura, Furnas e Vale têm programas que incentivam o recrutamento de trabalhadoras mulheres. A Vale, por exemplo, começou recentemente a colocar mulheres em funções que historicamente eram ocupadas por homens. Há hoje na empresa, mulheres motoristas de caminhão fora de estrada e, de acordo com Regina, o número de acidentes caiu. “E isso reduziu os custos da mineradora com seguros.”

Esse tipo de ação exige mudança de mentalidade. “As empresas deixam de contratar a melhor administradora do país para não pagar licença-maternidade, por exemplo”, diz Carmen Migueles, professora da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, da Fundação Getulio Vargas. “Essas empresas são muito ruins em inteligência competitiva e inovação porque focam no corte de custos, perdendo qualidade de liderança.” A professora é uma das maiores referências brasileiras em cultura organizacional e coautora de livros como Liderança baseada em valores (Ed. Elsevier).

As mulheres não chegarão ao topo das maiores empresas brasileiras apenas para assegurar o equilíbrio de gêneros nos postos de comando, mas é preciso que elas ao menos tenham a oportunidade de disputar esses postos. “As pessoas têm que entender que não é homem contra mulher”, diz Claudia Sender, da TAM. “É como a inserção da mulher no mercado pode ajudar a todos.”

(Da redação)