Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cyrela avalia necessidade de revisar projeções para 2012

Por Vivian Pereira

SÃO PAULO (Reuters) – A Cyrela Brazil Realty está trabalhando com a possibilidade de ter que revisar, pela segunda vez, suas projeções de vendas e lançamentos para o próximo ano, ao mesmo tempo em que se diz confortável para atingir o piso das metas traçadas para o fechado de 2011.

Segundo o vice-presidente financeiro e diretor de relações com investidores da construtora e incorporadora, José Florêncio Rodrigues, a companhia está em processo de revisão de estratégia e, até o final deste ano, tomará a decisão se será necessário revisar as estimativas.

“O que está no ‘guidance’ hoje está razoável, parece bem adequado. Após a consolidação dos planos de trabalho regionais pode vir esse rearranjo”, disse ele a jornalistas, após reunião com analistas e investidores, em São Paulo.

De janeiro a setembro, a Cyrela lançou 4,564 bilhões de reais, o equivalente a 57 por cento do ponto médio da meta para o ano, de 7,6 bilhões a 8,5 bilhões de reais. Quanto a vendas contratadas, a empresa cumpriu 56 por cento do ponto médio dos estimados 6,9 bilhões a 7,7 bilhões de reais para o ano.

“Vamos atingir pelo menos o ponto mínimo dos ‘guidances’ nas duas pontas”, afirmou o diretor de incorporação da companhia, Ubirajara Freitas, acrescentando que, ao contrário de outras empresas do setor, a Cyrela não irá promover descontos para acelerar as vendas.

“Não vamos diminuir nossas margens em prol de uma velocidade (de vendas) maior. Preferimos privilegiar as margens e não vamos adotar nenhuma política de descontos”, disse Freitas.

Em março, a Cyrela já havia reduzido as previsões de vendas e lançamentos tanto para este ano quanto para 2012. Para o ano que vem, a estimativa de lançamentos está em entre 8,7 bilhões e 9,8 bilhões de reais e a de vendas, de 8 bilhões a 8,9 bilhões de reais.

CENÁRIO PARA 2012

Segundo Florêncio, a companhia projeta um cenário macroeconômico para o ano que vem similar ao de 2011, o que deve se refletir em crescimento para a empresa, ainda que em menor ritmo.

“Vamos crescer menos, mas crescer organicamente”, afirmou, ressaltando a atuação cada vez mais concentrada nos mercados de São Paulo, Rio de Janeiro e na região Sul, “para ter qualidade operacional”.

Freitas, por sua vez, assinalou que “se o país crescer de 3 a 4 por cento, o mercado imobiliário em São Paulo cresce de 10 a 15 por cento, porque é um mercado demandado”.

“Está existindo uma acomodação, mas o mercado imobiliário está forte… Não vamos ver a mesma velocidade de vendas que em 2009 e 2010”, acrescentou.

Ele disse ainda que não vê, em um horizonte próximo, tendência de queda ou acomodação de preços. “Em nenhum lugar do Brasil o preço de terreno cai… não há nada que indique acomodação de preços (de imóveis)”.