Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

CSN lucra R$93 milhões no 1o trimestre, abaixo de previsões

RIO DE JANEIRO, 10 Mai (Reuters) – A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) encerrou o primeiro trimestre de 2012 com lucro líquido consolidado de 93 milhões de reais, abaixo das previsões do mercado.

O resultado mostra queda ante os 615,7 milhões de reais obtidos um ano antes. A média das estimativas levantadas pela Reuters apontava para lucro líquido de 377,6 milhões de reais no período.

Apesar do recuo, a CSN entende que “as perspectivas para a economia mundial têm melhorado progressivamente após o revés de 2011 e o risco de uma desaceleração aguda está se dissipando”, informou a empresa em seu relatório de resultados.

A companhia de Benjamin Steinbruch acredita nestas melhorias devido a um aumento gradativo da atividade nos Estados Unidos, à estabilização da economia chinesa e aos avanços nas reformas estruturais na Zona do Euro.

A receita líquida ficou em 3,9 bilhões de reais, levemente abaixo das previsões de 4 bilhões de reais. O valor representa uma alta de 3 por cento ante os 3,8 bilhões de reais registrados um ano antes.

“Este desempenho reflete, principalmente, o menor volume vendido de minério de ferro, bem como os menores preços praticados. A redução das vendas de minério de ferro decorreu dos efeitos da sazonalidade e das fortes chuvas que atingiram a região Sudeste no primeiro trimestre de 2012”, informou a CSN.

As vendas de minério de ferro totalizaram 6,7 milhões de toneladas, alta de 1 por cento na comparação anual e queda de 17 por cento em relação ao trimestre anterior.

Já as vendas totais de aço foram de 1,3 milhão de toneladas, aumento de 7 por cento ante o mesmo trimestre de 2012 e alta de 9 por cento sobre o quarto trimestre de 2011.

Já o Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês) ajustado ficou em 1,11 bilhão de reais, uma queda de 27 por cento, na comparação anual. O mercado esperava um Ebitda de 1,33 bilhão de reais.

A margem Ebtida caiu de 40 por cento para 29 por cento.

(Por Juliana Schincariol)