Conab rebaixa safra de soja 2011/12 do país a 65,6 mi t

SÃO PAULO, 10 Abr (Reuters) – A estimativa para a safra de soja 2011/12 do país foi rebaixada em abril a 65,6 milhões de toneladas, contra 68,75 milhões de toneladas previstas em março, apontou relatório da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgado nesta terça-feira.

O novo corte ainda é reflexo da estiagem que afetou os Estados do Sul do país e a parte sul de Mato Grosso do Sul, reduzindo as produtividades na atual temporada.

“A continuidade do clima seco nas principais regiões produtoras, sobretudo nos Estados da região Sul, reduziu a produção de oleaginosa”, afirmou a Conab em relatório.

As maiores baixas foram verificadas nos estados do Rio Grande do Sul e do Paraná.

O Brasil, segundo produtor e exportador global da oleaginosa, colheu um recorde de 75,32 milhões de toneladas no ciclo anterior, segundo a Conab.

O número da Conab está em linha com as estimativas de analistas, que previam novas reduções ainda pelos efeitos da seca sobre as lavouras brasileiras.

MILHO

A projeção para a safra total de milho foi elevada a 65,14 milhões de toneladas, ante 61,7 milhões de toneladas de março. Na safra passada, a produção brasileira do cereal foi de 57,4 milhões de toneladas.

Com este incremento na estimativa, a safra de milho praticamente se equipara à de soja, cenário já apontado por analistas.

Para a segunda safra do milho, a Conab elevou sua estimativa a 29 milhões de toneladas, contra as 25,8 milhões de toneladas de março.

Na safra passada, a produção de milho safrinha foi de 21,5 milhões de toneladas.

A Conab estima que a área plantada com safrinha na atual temporada deve atingir 7 milhões de hectares, ante 5,9 milhões de hectares do ciclo anterior.

Em todos os Estados com expressão na produção da segunda safra, se concretizou um aumento considerável da área, ficando o Mato Grosso com a maior alta, de 38,8 por cento da área, somando 2,5 milhões de hectares.

“Esse aumento significativo na semeadura está relacionado aos preços atraentes e à queda da produção no Sul do país, principalmente no Rio Grande do Sul e Santa Catarina”, apontou a Conab em seu relatório.

Segundo a estatal, para o milho segunda safra, o clima está bastante favorável em todas as regiões produtoras. “As chuvas regulares que ocorreram em janeiro e fevereiro permitiram que a semeadura da grande maioria da lavoura de milho fosse realizada dentro da janela ideal”, acrescentou a estatal.

ALGODÃO E TRIGO

A produção de algodão no Brasil em 2011/12 ficou estável em 2 milhões de toneladas em relação ao mês de março. Em 10/11 a produção foi de 1,95 milhão de toneladas, segundo o órgão.

Para o trigo, a estatal apontou uma redução da produção para 5 milhões de toneladas neste ano, contra 5,88 milhões de toneladas do ciclo anterior.

A estatal informou que o plantio deste ano do trigo (considerado ano 2012/13 para a cultura) já começou nos Estados de Goiás, Minas Gerais e São Paulo. Em abril, iniciam os trabalhos o Paraná e o Mato Grosso do Sul e em maio será no Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

“Os produtores estão pouco otimistas com relação ao cultivo do trigo devido à dificuldade de comercialização das safras anteriores e dos preços baixos praticados muito aquém do preço mínimo de garantia”, ponderou a Conab.

(Por Patrícia Monteiro e Fabíola Gomes)