Com “novo PAC”, governo prepara pacote de estímulo à construção civil

Segundo avaliação do Planalto, setor, que cortou 500 mil vagas em 2015, tem a capacidade de gerar postos de trabalho mais rapidamente que outros grandes empregadores

Para tentar reverter o pessimismo apontado pelos indicadores econômicos, a presidente Dilma Rousseff planeja apresentar ainda neste mês medidas e propostas que ajudem a retomar o crescimento e animar a economia, mas sem abandonar o ajuste fiscal que desde o início do segundo mandato tenta implementar. O plano já é tratado no Palácio do Planalto como uma espécie de “novo PAC” e tem como prioridade estimular o setor de construção civil.

A expressão “novo PAC” faz referência ao Programa de Aceleração do Crescimento, criado em 2007 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva para estimular a economia. Posteriormente, o PAC foi usado para ajudar a eleger a então ministra da Casa Civil Dilma Rousseff à presidência da República.

Para o Planalto, a escolha pela construção civil deve-se à capacidade do setor de, uma vez estimulado, reagir mais rapidamente e, com isso, criar empregos. O setor foi o que mais eliminou postos de trabalho em 2015, com cerca de 500.000 demissões – o pior resultado da história.

Entre as principais demandas das empresas de construção civil para voltar a crescer estão a retomada de projetos como a terceira fase do programa Minha Casa Minha Vida e a quitação de obras já executadas. Há atrasos de até quatro meses no pagamento a empresas contratadas pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), autarquia que gerencia mais de 1.000 contratos ativos e é dona do maior orçamento liberado pelo governo.

Leia mais:

Crise no Brasil é um dos maiores riscos internacionais em 2016, diz Eurasia

Balança comercial tem seu maior superávit desde 2011

Estimular esse setor e, com isso, dar novo fôlego à economia, casa com a agenda política de 2016. A presidente enfrentará na volta do recesso parlamentar, em fevereiro, um processo de impeachment e há a avaliação no governo e no PT de que é preciso agir o mais rapidamente possível para evitar uma grande derrota nas eleições municipais, em outubro. A resposta seria um plano para tentar conter a alta do desemprego e reduzir a força do discurso oposicionista de que o partido é o maior responsável pela crise econômica.

Isso explica por que nos últimos dias alguns ministros têm admitido em público erros na condução econômica e, ao mesmo tempo, defendido Dilma do impeachment. Nesta segunda-feira, pelo Twitter e pelo Facebook, o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, afirmou que o governo não apenas reconhece os erros que cometeu na economia como está trabalhando para resolvê-los.

“Temos plena consciência de alguns erros que cometemos e das dificuldades que precisamos vencer na economia, mas impopularidade não é crime”, escreveu o ministro. “É um defeito, um problema que vamos seguir trabalhando para resolver.”

(Com Estadão Conteúdo)