Colômbia cancela contrato da Odebrecht e abre nova licitação

A decisão foi tomada como consequência do escândalo que a Odebrecht enfrenta na Colômbia e outros países da América Latina

A Superintendência da Indústria e Comércio da Colômbia ordenou nesta quinta-feira o cancelamento do contrato de um contrato com a empreiteira brasileira Odebrecht para a construção de importante rodovia no país. O órgão também ordenou a abertura de uma nova licitação para conceder a obra a outra empresa.

A decisão foi tomada como consequência do escândalo que a Odebrecht enfrenta na Colômbia e outros países da América Latina após ter pago milhões em propinas para receber obras. “Com o objetivo de restabelecer a livre competição econômica, a Superintendência ordenou à Agência Nacional de Infraestrutura finalizar de maneira imediata o Contrato de Concessão da Rota do Sol Trecho 2, junto às suas modificações, adições e outros”, informou o órgão em comunicado.

A concessão para construção de uma estrada de 528 quilômetros, avaliada em cerca de 1,7 bilhão de dólares, estava sob controle da Odebrecht com 62% e a Corporação Financeira Colombiana era sócia, com 33%. A CSS Constructores tinha os 5% restantes.

A Odebrecht se declarou culpada em dezembro em tribunal nos Estados Unidos por violar normas contra propinas, após investigação no Brasil sobre uma extensa rede de corrupção entre 2001 e 2016, na qual pagou cerca de 439 milhões de dólares a partidos políticos, funcionários estrangeiros e seus representantes em vários países da América Latina.

Também nesta quinta-feira, procuradores de 11 países em que a Odebrecht operou decidiram estabelecer “a mais ampla, rápida e eficaz cooperação” para investigar a atuação da construtora brasileira e outros alvos da Operação Lava Jato. O encontro foi organizado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e realizado em Brasília. Dele participaram representantes do Ministério Público da Argentina, Chile, Colômbia, Equador, México, Panamá, Portugal, Peru, República Dominicana e Venezuela.

Segundo comunicado divulgado após uma reunião, intitulado “Declaração de Brasília sobre a cooperação jurídica internacional contra a corrupção”, foi decidido criar “equipes conjuntas de investigação, bilaterais ou multilaterais” para coordenar os trabalhos no Brasil e nos outros países.

 

(Com Agência Reuters)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Somente no Brasil esta quadrilha do setor privado continua firma e forte. Porque esta quadrilha não foi liquidada ainda? Pelo contrario, foi dada a oportunidade de continuar superfaturando para pagar multas e dividas; conclusão, pagaremos do nosso bolso. Porque Emilio foi blindado?

    Curtir

  2. Rogério Ruminski

    Quero parabenizar o Juiz Sérgio Moro e o Janot POR TEREM QUEBRADO a maior construtora do país e pelo desemprego de 1 milhão de trabalhadores da construção civil.

    Curtir

  3. PARABÉNS PELA REUNIÃO E COMPROMISSOS ASSUMIDOS…..SÓ NO BRASIL ESSA GENTE AINDA CONTINUA SE DANDO BEM……

    Curtir

  4. Vergonha nacional, com patrocínio do projeto de poder pelo poder insano nos últimos treze anos. E querem, uns 30% de bestas, que este projeto de poder volte.

    Curtir

  5. George Brandão

    No país de bananas governado por bandidos vagabundos esta facção criminosa chamada odebrecht continua selevrando seus contatos e firmando novos com o poder público. Uma vergonha esta empresa ainda poder operar no país de bananas chamado brasil.

    Curtir

  6. Lamentavelmente esta empresa deixou de fazer engenharia pra fazer propinaria. Muita decepção com esta empresa.

    Curtir