Cargos públicos pagam seis dos dez salários mais altos no Brasil

Promotores, procuradores, juízes e membros de tribunais de contas recebem cerca de seis vezes mais que a média dos declarantes de imposto de renda no país

Entre as dez categorias profissionais mais bem remuneradas do país, seis fazem parte da chamada elite do funcionalismo público – como promotores, procuradores e juízes – e uma tem concessão pública, o dono de cartório. Em outras palavras, sete das atividades profissionais mais rentáveis do Brasil estão associadas à estrutura estatal. O ranking foi elaborado pelo pesquisador José Roberto Afonso, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV). A sua base de dados é oficial: o relatório “Grandes Números”, divulgado recentemente pela própria Receita Federal a partir de declarações de imposto de renda pessoa física de 2015, com valores de 2014.

Leia também:
Britânico e finlandês dividem Nobel de Economia
Meirelles ganha apoio do FMI na PEC do teto dos gastos

A categoria recordista em ganhos é o titular de cartório, atividade híbrida entre o público e o privado. Na média, o rendimento anual apresentado na declaração do imposto de renda do dono de cartório fica em 1,1 milhão de reais. Um detalhe que impressiona é o nível de concentração de riqueza nessa camada. Os ganhos dos 9.409 donos de cartórios somam quase 11 bilhões de reais. A cifra é equivalente ao resultado de grandes conglomerados empresariais, como a cervejaria Ambev, que tem lucro anual 12 bilhões de reais.

Na sequência, em segundo, terceiro e quarto lugares, bem como sexto, sétimo e oitavo, entre os recordistas de ganhos estão carreiras típicas do Estado.Promotores e procuradores do Ministério Público ganham anualmente, em média, quase 530.000 reais. Juízes e integrantes dos tribunais de contas, mais de 512.000 reais. Diplomatas, 332.000 reais, na média, por ano.
Aqui cabe uma ressalva. Como lembra o economista Bernard Appy, diretor do Centro de Cidadania Fiscal (CCiF), as declarações de imposto de renda reúnem informações sobre a camada mais privilegiada da população que não se encontram em outras fontes. “A declaração dá uma radiografia das pessoas de renda mais elevada e vários trabalhos recentes só foram possíveis após a divulgação e o cruzamento de dados da Receita Federal”, diz Appy.

O relatório atual traz informações de 27 milhões de pessoas, distribuídas em 133 categorias profissionais. O rendimento do conjunto, no agregado, soma 1,4 trilhão de reais por ano. Ao fazer uma divisão simples do bolo, o pesquisador Afonso chegou à conclusão de que a fatia da população brasileira que declara imposto de renda ganha, na média, por ano, 87 mil. Detalhe: 58 categorias recebem acima desse valor e 77, abaixo disso.Nessa ótica, promotores, procuradores, juízes e integrantes de tribunais de contas recebem cerca de seis vezes mais que a média dos declarantes de imposto de renda no país.

Afonso atribui a disparidade, entre outras razões, à dinâmica do orçamento e dos gastos entre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário: “A crise fiscal atual revela que o debate das dificuldades está concentrado no poder Executivo, enquanto os demais poderes seguem gerindo as suas folhas salariais e os seus orçamentos como se nenhuma crise estivesse ocorrendo no país”, afirma. “Reajustes fortes têm sido dados para essa elite do setor público, enquanto a imensa maioria dos servidores públicos não é tão beneficiada.”

Empresários e altos executivos têm rendimento isento

Três categorias do setor privado estão entre as dez com maior rendimento, segundo dados de declarações do imposto de renda: médico, com 305.000 reais por ano, em média (5º lugar), piloto de avião, com 253.000 reais (9º) e atleta, com 219.000 reais (10º). Segundo o pesquisador José Roberto Afonso, autor do levantamento, há uma razão para explicar a ausência de uma categoria que, todos intuem, está entre as campeãs de ganhos, donos e altos executivos de empresas. Parte dos ganhos dessa categoria enquadra-se como rendimento não tributável, como lucros e dividendos.

Cerca de 707.000 dirigentes e executivos ganham 214 bilhões de reais que são isentos. Outra parcela recebe como pessoa jurídica. Por causa disso, na lista de ganhos sujeitos a tributação na pessoa física, o dirigente de empresa aparece em 30º lugar, com ganho médio anual de 138.000 reais. Afonso reforça que essa categoria é ampla e diversa. Inclui o presidente de uma multinacional, o dono de uma loja de ferragens e o profissional “contratado” como empresa, porque cresce a chamada “pejotização”. Segundo Afonso, altos executivos devem, sim, estar entre os dez mais bem pagos do país, mas mesmo que fosse possível definir em que posição, não alteraria a predominância das funções públicas na lista das mais rentáveis.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Nelson Marchetto

    Se a matéria está correta, que foi realmente uma pesquisa esmiuçada em detalhes, pergunto: Porque o “mp” e o “judiciário” estão reclamando da PEC de controle de gastos?

    Curtir

  2. É os juízes e promotores ainda têm 60 dias de férias mais 20 dias de folga no Natal e Ano Novo, “trabalham” só 6 horas por dia, porque os funcionários fazem tudo e eles só assinam, aposentam-se mais cedo, recebem o pornográfico “auxilio-moradia” de quase 5 mil reais mensais, gratificação por substituir o colega mesmo que seja na sala ao lado, cada mudanca de local de trabalho recebem 3 salarios integrais e mais um salário por CADA dependente que tiver (As vezes esse valor ultrapassa 100 mil reais) , nós tribunais têm carros com vários motoristas e muitos residem nos condomínios longe do local de trabalho com o combustível liberado). É tem muito mais que não cabe aqui. O Ministério público não faz nada porque TAMBÉM recebe, igualzinho.

    Curtir

  3. Democrata Cristão

    Que tal o fim da estabilidade funcional? A iniciativa privada agradece.

    Curtir

  4. Micky Oliver

    Isso é uma afronta para com aqueles que realmente trabalham e sustentam este país – os trabalhadores da iniciativa privada! Absurdo! E depois querem que nós paguemos ainda mais com nosso suor e sangue pelas mordomias desses parasitas!!!

    Curtir

  5. agora considera a renda dos que sonegam e vc vê que tem gente ganhando bem mais que juiz

    Curtir

  6. Vinitius Silva

    Interessante não ter identificado claramente na reportagem jogadores de futebol e músicos como categorias mais bem remuneradas. Como a fonte da pesquisa foi a declaração de imposto de renda, será que não existe uma ausência de transparência na renda dessas categorias?

    Curtir

  7. ABRAÃO LINCOLN SALES BASTOS

    Dêem uma olhada também nas casa legislativas inchadas , câmaras municipais, assembléias estaduais e congresso federal pagam salários absurdos para funções virtuais sem nenhuma necessidade real.

    Curtir

  8. Arthur Silva Costa

    MUITO BEM OXX.

    Curtir

  9. Renato Camargo

    “Chegou a hora de acabar com os marajás”. As benesses estatais pagas aos funcionários públicos têm de acabar, onde já se viu?! Emprego público deveria ser sinônimo de trabalho duro devoção ao povo e salário baixo!

    Curtir

  10. O “servico” ou “desservico” publico no Brasil faz parte do maior estupro do povo brasileiro. Pagamos altissimos salarios, benesses que nao existe em lugar nenhum do mundo e temos servico zero cada vez que precisamos. E ainda por cima os descarados ainda querem mais e mais, sem ao menos pensar na maioria dos miseraveis que vivem debaixo de uma telha de zinco, morrendo de fome. Acorda, Brasil! Isso tem que acabar.

    Curtir

  11. Democrata Cristão

    Sugestão para os Aristocratas Públicos: “Suécia – um país sem excelências e mordomias” da jornalista Claudia Wallin

    Curtir

  12. Adilson Silva

    E o salário do Legislativo, pq não foi contabilizada?

    Curtir

  13. Só falam em reforma, reforma, em reduzir gastos, reduzir previdência privada, mas em reduzir privilégios públicas e gastos do governo nada….e olhe que a lista é grannnnnnnnde……

    Curtir

  14. Sonia Martins

    A remuneração dos nossos funcionários – aquele pessoal chamado de “funcionários públicos” -, infelizmente, mais frequentemente não está na razão direta da competência…

    Curtir

  15. Claudio Cadalço

    NELSON MARCHETTO, dinheiro pra gente nefasta nunca é suficiente… pergunte a qq político se o salário e todas as mordomias é suficiente? nunca vão dizer que é suficiente… eles querem ganhar o que um empresário ganha, sem colocar nada em risco. lutar contra um governo corrupto, pagar impostos absurdos, juizes que dão causa de ganho para qualquer funcionário que for contra a empresa.

    Curtir

  16. Tem muita coisa errada nesse nicho, isso é uma caixa preta. Porque o STF recebe auxílio moradia ?

    Curtir

  17. ViP Berbigao

    A sociedade vai é tomar um baile do Legislativo e do Judiciário nessa PEC.
    Vão é ampliar suas regalias. Ou vc acha que com essa pressa toda eles estão cheios de boas intenções??? Pára!!!

    Curtir