Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cai liminar que proibia aérea de cobrar por bagagem

Para juiz, a cobrança pela bagagem despachada beneficia o consumidor, que hoje paga mesmo quando não leva nenhuma

A Justiça Federal no Ceará derrubou a liminar que impedia as companhias aéreas de cobrarem pelas bagagens despachadas. No fim de 2016, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) havia liberado a cobrança a partir de 14 de março deste ano. Na véspera de a medida entrar em vigor, porém, o juiz José Henrique Prescendo, da 22ª Vara Cível Federal, em São Paulo, a derrubou em caráter liminar.

Agora, o Superior Tribunal de Justiça reconheceu que o processo que tramita no Estado de São Paulo é similar a outro que corre no Ceará. Como o do Ceará é anterior ao de São Paulo, cabia ao juiz Alcides Saldanha Lima, da 10ª Vara Federal, no Ceará, decidir. Na sexta-feira, 28, ele liberou a cobrança, que passa a valer assim que a decisão for publicada. As companhias aéreas, apesar de já terem divulgado o valor que cobrarão pelas malas, ainda não haviam definido quando começarão a aplicar a medida.

Para Lima, a cobrança pela bagagem despachada beneficia o consumidor que hoje viaja sem mala e acaba subsidiando o que despacha.

“A disciplina do transporte de bagagem anterior à Resolução nº 400/2016 (que permite a cobrança) é significativamente mais prejudicial aos consumidores, pois obriga a quem viaja sem bagagem a subsidiar, no preço de sua passagem, aqueles poucos passageiros que se utilizam de todo o limite da franquia, pois hoje não há a opção para aquele consumidor que pretende viajar com pouca bagagem de adquirir uma passagem aérea mais barata com a dispensa da franquia de bagagem (im)posta à sua disposição”, escreveu o magistrado.

Preço menor

As companhias aéreas afirmam que a resolução da Anac reduzirá as tarifas dos passageiros que viajam apenas com bagagem de mão. No sábado, 29, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) divulgou uma nota em que diz que a decisão de Lima permitirá uma “justiça tarifária”. “As companhias poderão fazer promoções e diferenciar suas tarifas – o que hoje é proibido. Isso naturalmente acirrará a concorrência entre as empresas, o que beneficiará todos os passageiros.”

Na decisão em que havia proibido a cobrança, no entanto, o juiz Prescendo afirmava que a norma da agência de aviação deixa o passageiro “inteiramente ao arbítrio e ao eventual abuso econômico” por parte da empresa e representa venda casada (da passagem e do direito de despachar uma mala).

O fim da franquia de bagagem era um pedido antigo do setor aéreo, que argumenta, ainda, que a medida aproxima as normas brasileiras das internacionais. A Abear informou que suas associadas deverão anunciar os procedimentos que adotarão a partir de agora.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Jorge Iório

    As companhias nacionais se comparam com as internacionais na questao da cobranca de bagagens mas, nao dao isencao (que tem na Europa) de material medico. Por que sera?

    Curtir

  2. Ainda bem que existe a Venezuela pra não fazer o Brasil passar a vergonha de ser o país mais atrasado do continente.

    Curtir

  3. Antonio Augusto Simoes

    Quando o Malaquias enche bem a mala o jurisconsulto não aguenta e vende até a mãe.

    Curtir

  4. Valdeci Pinheiro de Lima

    Muito estranho a ANAC que deveria defender os passageiros, varios meses estar forçando a cobrança da bagagem. Insiste, insiste como se fosse dona de companhia aerea. O que esta acontecendo? Será necessario investigar pois, uma instituição que deveria defender os viajantes aereos, estar tentando por todos os meios implantar esta ação que é prejudicial aos passageiros, nao pode ser normal.

    Curtir

  5. Francisco Lemos

    Qualquer servico ou produto vendido no Brasil e sempre, sempre, muito mais caro, e de muito pior qualidade, que em qualquer pais do planeta. Obvio que continuaremos a pagar as passagens mais caras, com aeroportos pessimos, transporte pessimo, etc. Alias, pagamos os impostos mais caros do mundo e sustentamos, por exemplo, o pior e mais caro judiciario do mundo.

    Curtir