Brasil vai encolher 3,5% em 2016 e não vai crescer em 2017, diz FMI

Fundo vê piora do quadro econômico por causa das incertezas políticas e amplia projeção de retração; em outubro, instituição projetava queda de 1% do PIB do país

A economia do Brasil deve terminar 2016 com uma retração de 3,5%, segundo as projeções revisadas do Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciadas nesta terça-feira. No ano passado, o produto interno bruto (PIB) brasileiro encolheu 3,8%, estima o Fundo. Para 2017, o FMI prevê crescimento zero.

Em outubro, a previsão do Fundo era que o Brasil terminaria 2016 com retração econômica de 1%. O FMI destacou que a recessão, “provocada pela incerteza política em meio às sequelas” das investigações sobre denúncias de corrupção na Petrobras, “está demonstrando ser mais profunda e prolongada do que o esperado”.

O peso do Brasil contribui para derrubar as expectativas de crescimento em toda a América Latina, segundo o FMI. A economia da América Latina e do Caribe deve fechar 2016 com um retrocesso de 0,3%, de acordo com as previsões. Em outubro, a previsão para a região era de crescimento de 0,8% neste ano. Para 2017, o FMI espera para a região um crescimento de 1,6%.

“A projeção atual aponta que o PIB agregado da América Latina e do Caribe também registrará contração em 2016, mas com uma taxa menor que em 2015, apesar do crescimento positivo na maioria dos países da região. Isso reflete a recessão do Brasil e de outros países em dificuldades econômicas”, aponta o FMI.

No relatório, o Fundo prevê uma “melhora gradual” nas taxas de crescimento dos países que “estão passando por tensões econômicas” e cita os casos de Brasil, Rússia e alguns Estados do Oriente Médio. Ao mesmo tempo, no entanto, a instituição indica que “mesmo essa recuperação parcial projetada pode ser frustrada por novos choques econômicos ou políticos”.

Mundo – O FMI também revisou para baixo suas projeções de crescimento global, no terceiro corte em menos de um ano. O Fundo citou a acentuada desaceleração no comércio da China e os preços fracos das commodities, que estão prejudicando economias como as do Brasil e de outros mercados emergentes, para justificar a revisão.

Na nova previsão, o FMI prevê que a economia mundial vai crescer 3,4% em 2016 e 3,6% em 2017. Para ambos os anos, o corte na projeção foi de 0,2 ponto porcentual em comparação com o relatório de outubro.

Leia mais:

China cresce 6,9% em 2015, o pior resultado em 25 anos

Barbosa diz que foco da política econômica é estimular o crescimento

(Com AFP)