Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

BNDES poderá negociar dívida da American Airlines

Empresa tem financiamento de 3 bilhões de dólares junto ao banco para a aquisição de aeronaves da Embraer

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) confirmou nesta terça-feira que foi procurado pela American Airlines para negociar sua dívida com o banco referente ao financiamento para aquisição de aviões da Embraer nos últimos anos. A informação havia sido divulgada pelo jornal Valor Econômico. O BNDES informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que o banco foi procurado pela empresa logo após o início do processo de recuperação judicial nos Estados Unidos, no final do ano passado. Segundo o banco, a American Airlines ainda não está inadimplente.

O BNDES não deu mais detalhes sobre os financiamentos, que foram firmados por meio da linha de crédito à exportação BNDES Exim. Nesse tipo de operação, o financiamento do BNDES é feito diretamente com o comprador do bem exportado e funciona como um dos fatores competitivos para o fabricante, que recebe o pagamento à vista do banco. A exportação de aviões é financiável pelo BNDES porque as aeronaves são consideradas bens de capital. A linha de crédito está restrita a aparelhos fabricados no Brasil.

Fontes do mercado e do banco confirmam que a American Airlines está em dia com o pagamento de um financiamento de cerca de 3 bilhões de dólares, do qual ainda restariam a pagar pouco menos de 1 bilhão de dólares. Nesse tipo de financiamento, as parcelas costumam ser semestrais. Os prazos podem chegar a 12 anos, com remuneração baseada no parâmetro internacional Libor. Embora os problemas da American Airlines aumentem o risco de inadimplência, a situação ainda não causa grande preocupação ao BNDES.

As operações de financiamento de produtos de alto valor como aviões têm como principal garantia os próprios aparelhos. Como a American Airlines já admite reduzir a sua frota para conduzir a sua recuperação, está no âmbito da conversa com o BNDES a entrega de parte das aeronaves compradas com financiamento do banco, que poderia vendê-las para recuperar o valor ainda restante do crédito. Mas uma fonte diz que não há avanço na conversa e que essa até agora é apenas uma das hipóteses que não pode ser afastada.

Outro caminho, recorrente em processos de recuperação judicial, é o reescalonamento dos pagamentos restantes. A American Airlines utiliza essa modalidade de financiamento do BNDES desde 1998, quando começou a adquirir aviões da Embraer para suas rotas de aviação regional operadas por sua controlada American Eagle.

Diferentemente do que faz nas linhas de crédito convencionais, o BNDES não divulga os detalhes das operações da linha Exim por considerar os dados informações estratégicas integrantes do plano de empresas como a Embraer para vencer concorrências internacionais.

(Com Agência Estado)