BC derruba previsão de crescimento em 2014 para 0,2%

Projeção para inflação também piorou. Para o próximo ano, expectativa é de que preços se mantenham em alta – e perigosamente perto do teto da meta

O Banco Central (BC) reduziu sua projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deste ano de 0,7% para 0,2%. Já a perspectiva para inflação subiu ligeiramente, passando de 6,3% para 6,4%, segundo o Relatório Trimestral de Inflação divulgado nesta terça-feira. Para 2015 o cenário é um pouco mais otimista, mas a inflação segue perigosamente próxima ao teto da meta do governo.

O documento também prevê crescimento de 0,6% do Produto Interno Bruto (PIB) em doze meses até setembro – a projeção para o acumulado do ano ainda não foi divulgada – e inflação em 6,1%. No relatório anterior, a expectativa de inflação para o ano que vem era de 5,8%. A projeção do BC é mais otimista do que a do mercado financeiro, que prevê inflação acima do teto em 2015, como mostrou relatório Focus divulgado na segunda-feira. Para 2016 a expectativa é de que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) encerre o ano em alta de 4,9%.

O Bacen acredita que a atividade doméstica “deverá entrar em trajetória de recuperação no segundo semestre do próximo ano”, segundo o relatório. O cenário traçado pelo BC para 2014 leva em conta a taxa básica de juros, Selic, em 11,75% ao ano e o dólar a 2,55 reais. A projeção leva em conta o cenário de referência que serve de base para as decisões do Copom.

Leia também:

Mercado projeta inflação acima do teto da meta em 2015

Prévia da inflação avança em dezembro e tem alta de 6,46% no ano

Tombini diz que inflação subirá ainda mais no 1º trimestre de 2015

“Para o Copom, o fato de a inflação atualmente se encontrar em patamares elevados reflete, em parte, a ocorrência de dois importantes processos de ajustes de preços relativos na economia – realinhamento dos preços domésticos em relação aos internacionais e realinhamento dos preços administrados em relação aos livres”, informou o Banco Central. A autoridade monetária acrescentou que “não descarta elevação da inflação no curto prazo e antecipa que a mesma tende a permanecer elevada em 2015, mas, por outro lado, também antecipa que ainda no próximo ano a inflação entra em longo período de declínio”.

Preços administrados – O Banco Central projeta que a variação do conjunto dos preços administrados por contrato e monitorados, tanto no cenário de mercado quanto no de referência, é de 5,3% para 2014. Nos últimos dois relatórios, essa previsão era de 5% nos dois cenários.

O expectativa de alta, explica o documento do BC, considera variações ocorridas até novembro nos preços da gasolina (2,3%) e do gás de bujão (4,3%), bem como as hipóteses, para o acumulado de 2014, de recuo de 6,4% nas tarifas de telefonia fixa e de aumento de 18,2% nos preços da eletricidade.

No relatório anterior de setembro, o BC previa aumento de 0,2% para a gasolina até agosto e de 0,3% para o gás de bujão. Também previa, na época, que para o acumulado de 2014 haveria um recuo de 6,3% nas tarifas de telefonia fixa e um aumento de 16,8% nos preços da eletricidade.

A autoridade monetária também revisou a previsão de reajuste dos preços administrados para os próximos dois anos. Em ambos os cenários, a projeção de reajustes dos itens administrados por contrato e monitorados em 2015 subiu de 6% no último relatório em setembro para 6,2% agora. O BC leva em conta hipóteses de aumento de 0,6% nas tarifas de telefonia fixa e de 17% nas tarifas de eletricidade. Para 2016, passou de 4,9% para 5,2%.

(Com Estadão Conteúdo)