Aviação regional é prioridade absoluta, diz novo ministro

Eliseu Padilha, nomeado chefe da Secretaria de Aviação Civil, terá como principal missão a construção e ampliação de 270 aeroportos regionais no país

Nomeado chefe da Secretaria de Aviação Civil (SAC) no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff (PT), o deputado federal Eliseu Padilha (PMDB-RS) recebeu como principal missão avançar no desenvolvimento da aviação regional no país. “Nós vamos ter como prioridade absoluta a aviação regional. O programa de desenvolvimento regional prevê que serão ampliados, reformados ou construídos 270 aeroportos regionais”, afirmou. De acordo com o ministro, o objetivo é interiorizar o desenvolvimento e propiciar paralelamente a exploração turística dos recursos naturais do país. “Acabamos não tendo um aporte turístico por falta de interiorização logística do transporte aéreo”, acrescentou.

O programa de aviação regional foi inserido em Medida Provisória encaminhada ao Congresso pela presidente Dilma no em julho de 2014. A matéria, entretanto, não foi votada dentro do prazo estabelecido e perdeu validade no fim do ano passado. Outro texto deverá ser enviado para novas discussões dos parlamentares. Entre os objetivos do programa está o de integrar comunidades isoladas à rede nacional de aviação civil, para facilitar a mobilidade de cidadãos e o transporte de bens fundamentais, como alimentos e medicamentos.

Leia mais:

Subsídios para aviação regional correm risco de caducar

Governo e parlamentares chegam a acordo sobre aviação regional

Azul ameaça cancelar encomendas da Embraer

A previsão é de que os recursos dos projetos, que devem somar 7,3 bilhões de reais, saiam do Fundo Nacional de Aviação Civil (FNAC), criado para fomentar o setor de aviação civil. “Essa é a grande vantagem desse programa. Ele tem fonte própria de financiamento”, afirmou Padilha. Segundo o novo ministro, também está na lista de prioridades a conclusão das obras que estão em execução pela Infraero. “Mais adiante, vamos pensar em novas concessões”, disse.

Padilha, ligado ao vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, Michel Temer, estava cotado inicialmente para assumir a pasta do Turismo, mas na última hora foi indicado para a SAC. O peemedebista, que comandou o Ministério dos Transportes no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), assumiu o cargo na SAC na segunda-feira, com a saída de Moreira Franco.

(Com Estadão Conteúdo)