Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Alexandre Abreu ocupará lugar de Bendine no Banco do Brasil

Bendine deixará a Presidência da instituição para assumir o lugar de Graça Foster na liderança da Petrobras

Alexandre Abreu, atual vice-presidente de Negócios de Varejo do Banco do Brasil, assumirá a presidência da instituição no lugar de Aldemir Bendine, que renunciou ao cargo nesta tarde de sexta-feira. Bendine foi escolhido pelo Conselho de Administração da Petrobras para presidir a companhia no lugar de Maria das Graças Foster que renunciou na quarta-feira junto com cinco diretores.

Na disputa pela presidência do banco estava Paulo Rogério Caffarelli, funcionário de carreira do BB, que renunciou ao cargo de secretário-executivo adjunto do Ministério da Fazenda nesta semana. Alexandre Abreu também era um dos cotados para entrar, no lugar de Luciano Coutinho, na presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O BB informou ainda a saída nesta sexta de Ivan de Souza Monteiro vice-presidente de Gestão Financeira e de Relações com Investidores. Monteiro vai assumir a Diretoria Financeira e de Relações com Investidores, em substituição a Almir Guilherme Barbassa. Ainda não foi confirmado um novo nome para seu lugar no BB.

Leia mais:

Petrobras confirma Aldemir Bendine como novo presidente

Bendine: oposição fala em improviso. Nem o PT esperava

No BB há quase 40 anos, Bendine é fiel escudeiro do PT

Bendine já estava de saída do Banco do Brasil depois que seu nome foi envolvido em denúncias no ano passado. Ele passou a ser investigado pelo Ministério Público depois que seu ex-motorista, Sebastião Ferreira, afirmou ter feito diversas entregas em dinheiro vivo em nome do patrão. Outros nomes cotados eram o de Murilo Ferreira, presidente da Vale, Coutinho, do BNDES, e Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central.

O nome de Bendine não foi bem recebido pelo mercado, com as ações da Petrobras recuando mais de 7% na tarde desta sexta. A indicação do executivo, que não é um técnico de carreira da estatal e tampouco um grande expoente do setor de óleo e gás, sinaliza a intenção do governo de manter a ingerência na Petrobras num momento em que se espera mais transparência dos gestores da empresa.