Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Aldemir Bendine deve ser anunciado o novo presidente da Petrobras

O Conselho de Administração da estatal se reúne nesta sexta para eleger um nome indicado pela Presidência da República para ocupar a cadeira

arte - diretoria da Petrobras

arte – diretoria da Petrobras (VEJA)

O atual presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine, foi escolhido para comandar a Petrobras no lugar de Graça Foster. O governo havia informado que o Conselho de Administração da estatal se reuniria às 9h desta sexta-feira para escolher um nome que agradasse não só ao mercado, mas também que fosse alinhado à equipe de Dilma Rousseff. Contudo, a decisão saiu do Palácio do Planalto e não deve passar por crivo dos conselheiros. Trata-se, tudo indica, de uma escolha pessoal de Dilma que não corresponde, exatamente, ao que espera o mercado financeiro. As expectativas eram de que a presidente optasse por um nome técnico do setor de óleo e gás.

Caberá ao novo presidente, escolhido às pressas, selecionar os executivos que devem compor a diretoria da estatal, que renunciou na última quarta-feira.

Bendine é funcionário de carreira do BB. Entrou como estagiário e assumiu a presidência da instituição em abril de 2009, substituindo Antônio Francisco Lima Neto. Nos últimos meses, sua saída da instituição era dada como certa depois que seu ex-motorista Sebastião Ferreira, que também trabalhou na campanha de Lula, afirmou ao Ministério Público Federal que teria realizado diversos pagamentos em dinheiro vivo a pedido do patrão.

Há três dias, a Casa Civil exonerou Paulo Rogério Caffarelli do cargo de secretário executivo adjunto do Ministério da Fazenda. Ele é um dos cotados para comandar o Banco do Brasil neste segundo mandato da presidente Dilma Rousseff.

O mercado não recebeu bem a possível escolha de Bendine e as ações da Petrobras despencam mais de 5% nesta manhã de sexta-feira.

Mercado – Segundo analistas ouvidos pelo site de VEJA, porém, de nada adiantará a substituição da atual diretoria se os problemas urgentes não forem de fato enfrentados. É imperativo, por exemplo, que um balanço crível de 2014 seja publicado, pois a ausência do documento pode ter um efeito fatal para a companhia.

Leia também:

Mercado aprova saída de Graça – mas quer mesmo o balanço auditado

De salvadora da Petrobras, Graça Foster vira presidente ‘moribunda’

A saída de praticamente toda a cúpula da Petrobras é uma das consequências do petrolão – escândalo de corrupção na estatal que veio à tona na Operação Lava Jato. Na nova fase da Operação, divulgada pela Polícia Federal na quinta-feira, o ex-diretor da Sete Brasil, controlada pela Petrobras, afirmou que o PT recebeu, por meio de seu tesoureiro, cerca de 200 milhões de dólares em propina.

Renúncia – Na terça-feira, Graça Foster se reuniu com a presidente Dilma depois de saber, por meio da imprensa, que o governo buscava substituto para o cargo de chefia da Petrobras. Dilma designou o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, para sondar nomes de mercado que aceitassem a missão, depois de ter se irritado com a divulgação dos resultados não auditados da empresa, no último dia 27. Levy defendia a entrada de Paulo Leme, presidente do Goldman Sachs no Brasil, na chefia da estatal.

Dilma havia considerado “amador” o cálculo de 88 bilhões de reais em baixa dos ativos da empresa por causa dos desvios decorrentes da corrupção. O montante foi calculado com base em uma metodologia que avalia o sobrepreço em 31 ativos da Petrobras. Para Dilma, o número foi mal avaliado, por pelo fato de os auditores terem colocado no mesmo patamar ativos bons e aqueles afetados pelos desvios. Justamente o desacordo sobre o montante das perdas com corrupção faz com que a consultoria PricewaterhouseCoopers, que audita os balanços da Petrobras, se negue a chancelar os resultados por enquanto.

Na quarta-feira, Graça Foster e cinco diretores, então, entregaram a carta de renúncia. Deixam a empresa os diretores José Formigli (Exploração e Produção), Almir Barbassa (Financeiro), José Antônio de Figueiredo (Engenharia), José Cosenza (Abastecimento) e José Alcides Santoro (Gás e Energia). Apenas José Eduardo Dutra (Serviços), indicação de Lula, e o novo diretor de Governança Corporativa, João Adalberto Elek, não foram citados e devem permanecer na estatal.

Leia ainda: Petrobras divulga nome de diretores que deixam estatal

CVM considera comunicado da Petrobras �insuficiente�