Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ajuda do FMI à Ucrânia pode afetar credibilidade do Fundo

Analistas afirmam que o resgate emergencial não deve ocorrer se o país não dispuser de condições para implantar um plano de austeridade

Chamado ao resgate por Kiev, o Fundo Monetário Internacional (FMI) sofre pressão de todas as frentes para dar luz verde a um plano de ajuda, com o risco de afetar sua própria credibilidade. Os especialistas do FMI iniciaram nesta terça-feira em Kiev reuniões com as novas autoridades para analisar a situação da economia ucraniana e desenhar um plano de ajuda, enquanto o país se afunda na instabilidade e diz estar à beira da quebra.

A aprovação de um empréstimo do Fundo parece se encontrar em um horizonte longínquo, embora a pressão sobre a instituição já seja sentida. No domingo, os ministros da Economia dos sete países mais industrializados (G7) disseram que o FMI era o “mais preparado” para apoiar financeiramente a Ucrânia.

Os Estados Unidos, primeiro acionista do FMI e a favor do novo regime em Kiev, informaram que o Fundo deve figurar no centro de um plano econômico de ajuda à Ucrânia. Enquanto isso, Washington ofereceu ao país europeu 1 bilhão de dólares no âmbito de um empréstimo internacional, segundo o secretário de Estado, John Kerry.

A Europa, outro peso pesado do Fundo, é mais cautelosa. “Nenhum estado membro (do bloco) se moverá sem a avaliação do FMI das necessidades financeiras da Ucrânia”, disse uma fonte europeia.

Leia também:

Obama: argumento de Putin para atacar a Ucrânia “não engana ninguém”

O FMI já havia assegurado estar “pronto para responder” ao chamado ucraniano, embora precise equilibrar sua resposta com suas próprias normas de funcionamento e evitar reacender as críticas de alguns países de que a instituição cede às pressões do Ocidente. Pelas normas internas, o FMI empresta dinheiro a um país apenas em troca de medidas de austeridade e se a condição das finanças públicas garantirem que haverá reembolso.

Contudo, essas regras foram levadas adiante de forma errada, especialmente após o primeiro plano de ajuda à Grécia em 2010, em meio à pressão política e ao pânico por um possível colapso da zona do euro. Em 2013, o FMI admitiu inclusive ter aprovado o empréstimo sem que seus especialistas tivessem garantido que a dívida grega era “viável”.

Leia também:

‘Uso da força não está descartado’, diz Putin sobre a Ucrânia

‘A Rússia está do lado errado da história’, diz Obama

Gigante energética russa anuncia que vai aumentar preço do gás para Ucrânia

Rússia diz que só sai da Crimeia após “normalização da situação política”

Comparação limitada – A comparação entre Grécia e Ucrânia, contudo, tem limites. A dívida acumulada por Atenas alcançou 142,8% do PIB em 2010 enquanto a da Ucrânia deve chegar a 44,7% no final de 2014, segundo o FMI. Mas alguns analistas duvidam que o FMI volte a ceder à pressão de seus acionistas mais poderosos. “O FMI deve preservar sua credibilidade evitando infringir suas próprias regras”, declarou à AFP o representante brasileiro no conselho de administração, Paulo Nogueira Batista, que se expressou a título pessoal. “O Fundo não pode se permitir ser visto como um instrumento político” dos norte-americanos e dos europeus, acrescentou.

Por sua vez, a Ucrânia não tem uma boa imagem no FMI. Kiev já deve desembolsar 4,5 bilhões de dólares ao Fundo até o final de 2015, e viu como um programa anterior de ajuda foi interrompido em 2011 após postergar certas reformas. Com um governo frágil, os temores aumentam. “A capacidade de aplicar um programa de reformas é uma preocupação para todo o mundo”, disse à AFP outra fonte do FMI.

O Fundo não quis fazer comentários oficiais e mencionou as declarações de quinta-feira de seu porta-voz, que afirmou que a instituição trabalharia na Ucrânia com “independência”. Contudo, fontes dizem que internamente ocorrem pressões enormes, embora garantam que o FMI saberá resistir. “O FMI enfrenta uma situação excepcional, mas não nos precipitaremos. Tem a vontade de atuar serenamente, respeitando os procedimentos”, afirmou à AFP uma fonte interna.

A diretora gerente do FMI, Christine Lagarde, destacou na sexta-feira que, no momento, a economia ucraniana não dá razões para entrar em “pânico”.

Segundo Desmond Lachman, ex-economista do FMI, os ocidentais devem pensar se querem ajudar com urgência a Ucrânia sem afetar o crédito do FMI. “Se os ocidentais querem dar dinheiro à Ucrânia, (a ajuda) deve chegar de forma bilateral por parte dos principais protagonistas. O FMI deve negociar seu próprio programa”, disse.

(Com agência France-Presse)