Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ajuda à Espanha é 1º passo para união bancária, diz ministro francês

'É o momento em que os europeus têm que definir as bases para definitivamente consolidar o euro', completou

François Hollande demonstrou o apoio do país por uma “união bancária” na Europa

O pacote de ajuda de até 100 bilhões de euros para os bancos da Espanha é apenas o primeiro passo em direção a uma união bancária na zona do euro, afirmou nesta terça-feira o ministro das Finanças da França, Pierre Moscovici.

Moscovici disse que os eventos das próximas semanas, incluindo as eleições legislativas na Grécia e na França na semana que vem e a cúpula de líderes europeus no final de junho, serão decisivas para o futuro da Europa.

Leia também

Preocupações sobre Espanha persistem após resgate

Espanha pode ter ajuda suspensa se descumprir reformas

“O que nós fizemos para a Espanha foi uma ação convincente, mas ainda precisamos ir mais longe”, disse o ministro à rádio Europe 1.

“Este é o momento em que os europeus têm que definir as bases para definitivamente consolidar o euro em termos políticos, orçamentários e sociais”, acrescentou ele.

O presidente socialista da França, François Hollande, que assumiu o gabinete no mês passado, demonstrou o apoio do país por uma “união bancária” na Europa, o que criaria um regulador financeiro comum, uma garantia única de depósito e um fundo de capitalização para os bancos.

Hollande é mais aberto à ideia de ceder soberania a instituições europeias a fim de proteger o euro do que seu predecessor conservador Nicolas Sarkozy, mas enfrenta uma luta difícil para convencer os franceses, muitos dos quais estão insatisfeitos com os grandes custos dos resgates e o alto desemprego.

UE – As condições impostas aos bancos espanhóis que receberem ajuda financeira estarão sujeitas às regras de ajuda estatais da União Europeia (UE), afirmou nesta terça-feira o comissário de Assuntos Econômicos e Financeiros da UE, Olli Rehn.

“As condicionalidades das bases financeiras incluirão recomendações específicas em relação à supervisão do setor financeiro e exigências regulatórias”, disse Rehn a autoridades do Parlamento Europeu.

“Além disso, condicionalidades específicas de bancos sujeitas às regras de ajuda estatal serão aplicadas exclusivamente aos bancos que se beneficiarem da assistência (dos fundos) EFSF e ESM”, completou ele.

(Com agência Reuters)