Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

4G começa sem acordo entre operadoras

Segundo presidente da Oi, Francisco Valim, implantação da quarta geração de telefonia móvel não tará compartilhamento de infraestrutura

Os investimentos para implantar a quarta geração (4G) da telefonia móvel no país devem começar sem o compartilhamento de infraestrutura pelas operadoras. O uso conjunto de bases, torres e antenas é um desejo do governo federal, que enxerga redução de custos com a ação. Um entendimento entre as grandes operadoras, entretanto, ainda está longe de ser alcançado, disse na quarta-feira o presidente da Oi, Francisco Valim.

“Compartilhar depende de querer e fazer. É uma prática necessária no Brasil. Mas a discussão ainda está no querer”, disse, durante a apresentação do balanço financeiro da companhia no segundo trimestre. A Oi sinalizou que não pretende esperar um acordo para tocar os planos no 4G, já que deverá cobrir seis cidades até a Copa das Confederações, em 2013. Embora seja favorável a compartilhar redes no 4G, Valim disse que fazer o mesmo com a estrutura atual (3G) é complexo e mais caro do que instalar novas torres. O Ministério das Comunicações estuda forçar as companhias do setor a abrir espaço às concorrentes em suas infraestruturas.

Leia mais:

Grandes operadoras dominam leilão de 4G

Valim evitou falar de expectativas sobre a liberação pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) da venda de chips da empresa bloqueada em cinco estados desde 23 de julho. A operadora descarta um impacto relevante da medida em seu negócio no ano de 2012. O plano apresentado à agência na semana passada manteve a previsão de 24 bilhões de reais em investimentos de 2012 a 2015.

(Com Agência Estado)