O que acontece durante 48 horas...

...no Rio de Janeiro

O que acontece durante 48 horas no Rio de Janeiro é o equivalente a uma guerra civil: corpos na calçada, tiroteios, execuções. Na Cidade Maravilhosa, a morte violenta virou banalidade. Os gatilhos da barbárie estão nas vias que à noite se tornam rota exclusiva de bandidos, nos arrastões que espalham o terror, na fuzilaria entre quadrilhas, na polícia mal equipada, encurralada, ausente e brutal. Com oito duplas de repórteres, VEJA acompanhou as ocorrências policiais das 20 horas da sexta 1º de julho às 20 horas do domingo. O saldo: 27 mortos, vinte feridos, dezenove tiroteios, sete arrastões

SEXTA, 1º DE JULHO, 20h45
Assaltado, o bombeiro Antônio de Oliveira, 42 anos, foi a primeira vítima de um fim de semana rotineiro sob todos os aspectos

a morte do herói

sexta-feira, 1º de julho

20h45

Na rua escura que dá acesso à Rodovia BR-101, em São Gonçalo, na Grande Rio, o sangue escorre do corpo de bruços, iluminado por uma lanterna. Peritos reconstituem a cena da morte. Ao ser abordado por um ladrão de carro, o homem reagiu atirando. O ladrão, mesmo ferido, disparou de volta, acertando-o na nuca e nas costas. Depois, fugiu com o veículo. Antônio Oliveira, 42 anos, era sargento do Corpo de Bombeiros. Orgulhoso da farda, ele morreu fazendo bico, em trajes civis. Com o estado lhe devendo um mês de salário (o depósito seria feito cinco dias depois de sua morte), alugou um Voyage, registrou-se no Uber e passou a transportar passageiros nas folgas. A mulher do bombeiro, Bianca, soube da morte por uma rede social. Ela está grávida de quatro meses da terceira filha, a quem dará o nome de Maria Antônia. No enterro, domingo, dia 3, a marcha fúnebre das cornetas se misturava aos gritos de “o melhor bombeiro do Rio”. No estado, os latrocínios, nome técnico dos assaltos seguidos de morte, estão em alta. Foram 89 entre janeiro e maio, 37% a mais que no mesmo período de 2015. Os assaltos em geral batem recorde: um a cada quatro minutos.

execução ao sol

sábado, 2 de julho

9h

O escuro da noite não é mais requisito para os assassinatos. Mata-se durante o dia. Uma câmera de segurança gravou a execução à queima-­roupa de Sérgio de Almeida Júnior, 37 anos, pré-candidato do PSL a vereador em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Ele entrava em seu carro quando outro veículo se aproximou. Escapou pela porta do passageiro, mas dois homens, encapuzados e com luvas, dispararam para matar. Berém do Pilar, como era conhecido, levou 21 tiros de pistola e fuzil na frente de casa. A câmera capturou o desespero de sua mulher ao abrir a porta da residência. Suspeita-se que políticos ligados a milícias estivessem incomodados com a popularidade do rival. Berém do Pilar foi o décimo pré-­candidato à eleição de 2016 a ser assassinado na Baixada, área que engloba seis municípios. Ali, milícias e tráfico impõem suas leis. O patrulhamento é mínimo — um policial para cada 2 500 habitantes em alguns pontos. O recomendável é um para 250.

era pipoca

13h30

Onde não faltam homens, sobra truculência. As estatísticas de autos de resistência, quando a polícia alega ter atirado para se defender, escamoteiam uma cultura de faroeste em que a lógica é usar a arma, simples assim. A PM fluminense é a mais violenta do Brasil: matou mais de 8 000 pessoas na última década, segundo relatório da ONG Human ­Rights Watch. Nesse ambiente, até um prosaico saco de pipoca assusta. O enredo da morte do estudante Jhona­ta Alves, 16 anos, começou quando ele saiu da sua casa, em 30 de junho, e foi para a de uma vizinha atraído pelo cheiro gostoso de pipoca. Na volta, o garoto foi abordado por PMs que faziam a ronda no Morro do Borel, na Zona Norte. Segundo a família, confundiram o saquinho com drogas. “Ele levantou as mãos, soltou a pipoca e levou um tiro na testa”, conta a tia, Luana dos Santos, que no enterro, na tarde de sábado, trazia nas mãos cartuchos vazios que recolhera na rua. A avó socava o chão pedindo justiça. Outro parente exibia o saco de papel ensanguentado.

INDIFERENÇA - Crianças observam com naturalidade o corpo fuzilado em uma rua de Realengo: tão comum é a cena de cadáveres por recolher que as pessoas vão estabelecendo uma macabra convivência com a morte
INDIFERENÇA - Crianças observam com naturalidade o corpo fuzilado em uma rua de Realengo: tão comum é a cena de cadáveres por recolher que as pessoas vão estabelecendo uma macabra convivência com a morte
INDIFERENÇA - Crianças observam com naturalidade o corpo fuzilado em uma rua de Realengo: tão comum é a cena de cadáveres por recolher que as pessoas vão estabelecendo uma macabra convivência com a morte
INDIFERENÇA - Crianças observam com naturalidade o corpo fuzilado em uma rua de Realengo: tão comum é a cena de cadáveres por recolher que as pessoas vão estabelecendo uma macabra convivência com a morte
INDIFERENÇA - Crianças observam com naturalidade o corpo fuzilado em uma rua de Realengo: tão comum é a cena de cadáveres por recolher que as pessoas vão estabelecendo uma macabra convivência com a morte
INDIFERENÇA - Crianças observam com naturalidade o corpo fuzilado em uma rua de Realengo: tão comum é a cena de cadáveres por recolher que as pessoas vão estabelecendo uma macabra convivência com a morte
INDIFERENÇA - Crianças observam com naturalidade o corpo fuzilado em uma rua de Realengo: tão comum é a cena de cadáveres por recolher que as pessoas vão estabelecendo uma macabra convivência com a morte
INDIFERENÇA - Crianças observam com naturalidade o corpo fuzilado em uma rua de Realengo: tão comum é a cena de cadáveres por recolher que as pessoas vão estabelecendo uma macabra convivência com a morte

Lava-jato

16h

Duas crianças, dessas que um saco de pipoca faz felizes, observam um corpo estirado no chão. Não revelam espanto. Veem a cena com o olhar de quem se habituou a ela. Estão em Realengo, bairro da Zona Oeste, em tarde de sol forte. Anderson Patrício, 39 anos, duas passagens pela polícia, trabalhava em um la­va a jato quando foi executado por onze tiros, disparados por dois homens em uma motocicleta. Casado, pai de três filhos, ele era funcionário de uma agência dos Correios. Num primeiro momento, seu corpo foi cercado por curiosos. “Olha, ainda está com a luva na mão”, alguém notou. Quando a polícia chegou, a maioria das pessoas tomava cerveja em um bar ao lado. Com o tempo, a curiosidade desapareceu. Elas foram para casa. E Anderson ali, no asfalto. É vida que segue na cidade em que 1 202 pessoas foram assassinadas em 2015. Em Chicago, campeã de homicídios nos EUA, foram 470.

vizinho incômodo

19h

Corpos solitários, perfurados, espancados, à procura de um nome, pontuam a beleza estonteante da Baía de Guanabara. Demorou, mas, enfim, colegas reconheceram na noite de sábado Diego Machado, 29 anos, pa­raense, aluno de letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), emoldurada pela natureza. Diego morava no alojamento dentro do câmpus. Era gay e era negro. A primeira hipótese da polícia: crime de homofobia. Antes do reconhecimento, quem viu o corpo não se abalou muito. “Aqui isso é normal, é uma área de desova”, disse uma aluna. A UFRJ, que está entre as melhores universidades do país, fica ao lado do Complexo da Maré, bunker de criminosos que aterrorizam a principal porta de entrada do Rio de Janeiro.

FOGO
Ônibus incendiado em arrastão: tática do medo

corra, carioca

22h50

Marca registrada do terror imposto ao Rio, o arrastão não tem hora nem lugar. Pode acontecer a qualquer momento, em qualquer ponto — embora vias movimentadas e congestionadas sejam o alvo preferencial. Com frequência, os bandidos atiçam o clima de pavor incendiando ônibus. No sábado à noite, o Túnel Rebouças, a principal ligação entre as zonas Norte e Sul, de repente engarrafou. Bandidos fecharam uma pista e se puseram a roubar os motoristas encurralados. Nesse momento, o carioca sabe: sai do carro e corre na direção contrária. Ao todo, sete arrastões infernizaram o fim de semana no Rio. “Terrible”, disparou o prefeito Eduardo Paes sobre a situação da segurança, em entrevista em inglês à rede americana CNN.

EXPRESSÃO DA DOR
O grito de Alexandre, torturado e atropelado: ataque com nível de brutalidade espantoso até para padrões cariocas

o grito

Domingo, 3 de julho

1h46

Berrando de dor, o entregador de farmácia Alexandre Pinheiro, 40 anos, chega ao Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro. Seu estado choca até mesmo os calejados enfermeiros do pronto-socorro. Ele está coberto de feridas dos pés à cabeça. Para roubarem sua bolsa, cinco assaltantes o torturaram e espancaram com pedaços de pau pontilhados de pregos afiados. Jogado no meio da rua, foi atropelado. Um desconhecido chamou a ambulância. Alexandre sobreviveu.

MÉDICO DE GUERRA
Paciente é atendido pelo cirurgião Bianco: com tanto tiroteio, o Rio virou referência mundial no tratamento de ferimentos a bala

aqui é guerra

4h15

Por força das circunstâncias, o Rio se tornou referência mundial no tratamento de ferimentos a bala. Dados da Secretaria de Saúde mostram que, de janeiro de 2015 até agora, os hospitais da rede municipal e estadual atenderam 4 053 vítimas de “projétil de arma de fogo”, ou PAF, no jargão local. Isso dá uma assustadora média de 7,4 baleados por dia. Na madrugada movimentada do Hospital Salgado Filho, na Zona Norte, Wellerson Rocha, 18 anos, chegou com uma perna atingida por tiro de fuzil em uma operação policial. Foi direto para a cirurgia. “Antigamente, PAF era sempre tiro de revólver. Agora, toda hora chega gente atingida por fuzil”, informa o diretor do Salgado Filho, João Berch­mans. “Praticamos medicina de guerra. Estamos preparados para atuar em qualquer zona de conflito do mundo”, resume o cirurgião Bruno Bianco, do Souza Aguiar. Wellerson Rocha também sobreviveu.

todos no banheiro

7h30

O domingo na Vila Cruzeiro, na Zona Norte, começou como sempre. Traficantes atacaram a base 29 da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). O confronto esquentou, os PMs pediram reforço e um blindado foi acionado para resgatar um grupo de viaturas acuadas. Saldo de duas horas de combate: dois policiais feridos e um traficante morto. Sete anos após a implantação do projeto das UPPs, todas as 38 voltaram a conviver com tiroteios. “Se estou na rua, deito no chão. Se estou em casa com as crianças, ficamos no quarto dos fundos ou no banheiro até terminar”, contou José Geraldo Silva, que cria sete filhos na Vila Cruzeiro. Há vários pontos das favelas “pacificadas” em que policiais não entram, ou entram só com blindados. Na mira de bandidos armados até os dentes, a tropa sofre baixas frequentes. Levantamento feito por VEJA enumera 418 PMs feridos e 37 mortos em UPPs desde 2008. Oito apenas neste ano.

o caçador caçado

16h30

Amparada no filho de 12 anos, Eveline Padilha, 35, chorava desconsolada no enterro do marido, o sargento da PM Wendel Lima, 38. Wendel entrou para as trágicas estatísticas de PMs mortos ao levar um tiro na frente dos dois, e da filha de 10 anos, pelo “crime” de ser policial. Num arrastão, deu ré para escapar e bateu no carro de trás. Os bandidos perceberam, chegaram perto, viram sua arma e o mandaram sair. Ele desceu com as mãos para cima. Foi sumariamente fuzilado. Era um sábado qualquer de um fim de semana qualquer de uma cidade que, a menos de trinta dias do início da Olimpíada, atrai a atenção do mundo. O Rio não é mesmo um lugar qualquer. Um aplicativo para smart­pho­nes, o Fogo Cruzado, acaba de ser lançado para monitorar os tiroteios que se espalham pela região metropolitana. Colaborativo, alimentado por cidadãos comuns, aponta os tiros como o Waze marca os nós do trânsito. Nas palavras de José Geraldo Camilo da Silva, marido de uma mulher ferida a bala durante o fim de semana triste e banal acompanhado pelos repórteres de VEJA: “Tinha de ser uma cidade maravilhosa”. Tinha.

Vias e cabines desertas

Via Light
Via Light
Via Light
Via Light
Linha Vermelha
Linha Vermelha
Rua Itapiru
Rua Itapiru
Rua Uranos
Rua Uranos
Avenida Brasil
Avenida Brasil
Linha Amarela
Linha Amarela
Arco Metropolitano
Arco Metropolitano

O mapa do crime

A distribuição da violência na região metropolitana do Rio nas 48 horas monitoradas por VEJA

Mortos    Feridos

Rever animação

OS MORTOS

Todas as 27 vítimas do fim de semana são do sexo masculino

Sexta-feira, 1° de julho, 20h45

Antônio Marcos Nascimento de Oliveira

42 anos, branco

O bombeiro foi alvejado com duas balas depois de reagir a um assalto quando dirigia em São Gonçalo, no Grande Rio. Morreu na hora.

Sexta-feira, 1° de julho, 22h

Yuri Christian Paiva dos Santos

17 anos, pardo

Encontrado morto a tiros em Magé, Baixada Fluminense.

Sexta-feira, 1° de julho, 22h50

Leonardo Augusto T. de Jesus

28 anos, negro

Os três traficantes foram mortos em confronto com a polícia na favela Parque Anchieta, na Zona Norte.

Sexta-feira, 1° de julho, 22h50

Marlon da Cruz Chagas

20 anos, pardo

Os três traficantes foram mortos em confronto com a polícia na favela Parque Anchieta, na Zona Norte.

Sexta-feira, 1° de julho, 22h50

Douglas da Rocha C. do N. Leone

22 anos, pardo

Os três traficantes foram mortos em confronto com a polícia na favela Parque Anchieta, na Zona Norte.

Sábado, 2 de julho, 3h10

Tiago Rafael da Silva

28 anos, negro

O segurança particular foi morto a tiros disparados por pelo menos dois homens, em Duque de Caxias, Baixada Fluminense.

Sábado, 2 de julho, 4h

Jeidson Marques da Silva Rocha

25 anos, negro

Morto a tiros por três homens em Mesquita, Baixada Fluminense. Chegou a ser levado ao hospital, mas não resistiu.

Sábado, 2 de julho, 4h50

Thiago da Silva Albino

25 anos, negro

Morto a tiros em Queimados, na Baixada Fluminense.

Sábado, 2 de julho, 8h

Moisés Garcez Rosa

26 anos, pardo

O moto-taxista foi encontrado morto dentro de um carro em Inhaúma, na Zona Norte. Tinha balas na cabeça e no tórax. Ele havia contado à esposa que discutira com traficantes três semanas antes.

Sábado, 2 de julho, 9h

Sérgio da Conceição de Almeida Júnior

37 anos, branco

Candidato a vereador foi executado por dois homens armados com fuzil e pistola quando saía de seu carro, na porta de casa, em Duque de Caxias, Baixada Fluminense.

Sábado, 2 de julho, 9h40

Matheus Almeida da Silva

20 anos, negro

Andava na rua em São Gonçalo, no Grande Rio, quando dois bandidos pararam o carro e dispararam nove vezes. Chegou a ser levado ao pronto-socorro, mas não resistiu.

Sábado, 2 de julho, 13h

Denis Oliveira da Silva

21 anos, negro

O auxiliar de pedreiro foi morto a tiros por um vizinho em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. A polícia investiga um suposto desentendimento entre os dois quatro meses atrás.

Sábado, 2 de julho, 15h50

Yuri Pinheiro de Paula Santos

19 anos, negro

Morto a facadas após uma briga no Morro dos Tabajaras, em Copacabana. Chegou a ir para o hospital, mas não resistiu.

Sábado, 2 de julho, 16h

Anderson Cassim Patrício

39 anos, pardo

Trabalhava em um lava-jato em Realengo, na Zona Oeste, quando dois bandidos em motocicletas se aproximaram e o alvejaram com onze tiros.

Sábado, 2 de julho, 17h40

Wendel de Paula Lima

38 anos, negro

O PM foi morto a tiros na frente da filha de 10 anos, em Nova Iguaçu, depois de ter sido reconhecido por bandidos como policial.

Sábado, 2 de julho, 18h

Diego Vieira Machado

29 anos, negro

O estudante foi achado morto com marcas de pancada na cabeça no campus da UFRJ, na Ilha do Fundão, onde cursava Letras. A polícia investiga se o crime tem motivação homofóbica.

Sábado, 2 de julho, 22h15

Ivo Maciel

66 anos, pardo

Mortos após uma tentativa de invasão de uma casa em Itaboraí, na Baixada Fluminense. Bandidos entraram com a intenção de matar o filho de Ivo, suspeito de envolvimento com o tráfico

Sábado, 2 de julho, 22h15

Anderson Ramos de Paiva Porto

33 anos, branco

Mortos após uma tentativa de invasão de uma casa em Itaboraí, na Baixada Fluminense. Bandidos entraram com a intenção de matar o filho de Ivo, suspeito de envolvimento com o tráfico

Sábado, 2 de julho, 23h50

Ryan Duarte

15 anos, pardo

Morto durante uma operação da PM para reprimir um baile funk, na Favela Curral das Éguas, na Zona Norte.

Domingo, 3 de julho, 1h30

Flávio de Oliveira Chaves

51 anos, pardo

Vigia de um depósito assassinado no local de trabalho ao ser golpeado com botijões de gás por dois bandidos.

Domingo, 3 de julho, 1h40

Mário Jorge dos Santos Júnior

15 anos, negro

Executado a tiros em Bangu, na Zona Oeste do Rio. Tinha passagem pela polícia por roubo.

Domingo, 3 de julho, 6h

homem não-identificado

entre 20 e 25 anos, pardo

Homem encontrado morto a tiros em Santa Cruz da Serra, em Duque de Caxias.

Domingo, 3 de julho, 7h10 às 8h30

Cassiano Santos Vargas

28 anos, negro

Traficante morto em ataque à UPP de Vila Cruzeiro, na Zona Norte após ser atingido por uma bala no peito.

Domingo, 3 de julho, 18h30

Raí Soares de Oliveira Bento

17 anos, negro

Morto a tiros no bairro da Penha, Zona Norte.

Domingo, 3 de julho, 20h

Ítalo Ricardo Magalhães

20 anos, pardo

Morto a tiros na favela da Papelândia, em Nova Iguaçu.

Horário indefinido

homem não-identificado

pardo

Encontrado morto a tiros na favela Nova Holanda, no Complexo da Maré, Zona Norte.

Horário indefinido

Márcio Vinícius Correia Lopes

33 anos, pardo

Encontrado morto a tiros em Barros Filho, Zona Norte.

Repórteres: Cecília Ritto, Jana Sampaio, Leslie Leitão, Luísa Bustamante, Maria Clara Vieira, Roberta Trindade, Sérgio Ramalho e Thiago Prado
Fotógrafos: Antonio Milena, Carlos Moraes, Daniel Ramalho, Egberto Nogueira, Emiliano Capazzoli, Marcelo Regua, Marcos Tristão e Reginaldo Teixeira
Edição de vídeo: Isabella Infantine
Design e programação: Alexandre Hoshino, André Fuentes e Sidclei Sobral