Teoria da Relatividade Geral de Einstein é verificada pela primeira vez em escala cósmica

Previsões do físico nunca haviam sido confirmadas para objetos muito distantes da Terra, como aglomerados de galáxias

Uma equipe de astrofísicos confirmou a validade da Teoria da Relatividade Geral de Albert Einstein pela primeira vez em escala cósmica. Os pesquisadores comprovaram que a gravidade influi na luz que vem de aglomerados galácticos distantes – testes anteriores já haviam confirmado a teoria com base em observações de fenômenos mais próximos, na escala do Sistema Solar. O estudo foi publicado na revista Nature.

A equipe do astrofísico Radek Wojtak, da Universidade de Copenhague (Dinamarca), analisou a luz que chega à Terra a partir de centenas de milhares de galáxias muito distantes. Os pesquisadores verificaram que a gravidade garante a coesão dos agrupamentos, mas também influi na luz que cada uma das galáxias emite no espaço.

Relatividade Geral – De acordo com a Teoria da Relatividade Geral de Albert Einstein, a frequência da luz diminui e o comprimento da onda aumenta por efeito da gravidade. Por causa disso, ocorre um “desvio gravitacional” do espectro luminoso para o vermelho, o limite do espectro visível menos energético.

Comparando o comprimento de onda da luz que vem das galáxias situadas no coração dos conglomerados, onde a gravidade é mais forte, ao das galáxias situadas na periferia, a equipe de astrofísicos conseguiu medir pequenas diferenças no desvio para o vermelho. “Vimos que a luz das galáxias situadas no meio dos aglomerados demora mais para sair do campo gravitacional, enquanto a luz das galáxias periféricas emerge mais rapidamente”, disse Wojtak.

Em seguida, os cientistas utilizaram as fórmulas de Einstein para calcular o “desvio gravitacional” das galáxias de acordo com a posição no conjunto. Os cálculos se mostraram completamente de acordo com as observações. “O desvio para o vermelho varia proporcionalmente em função da influência gravitacional dos conglomerados galácticos”, disse Wojtak.

(Com Agência France-Presse)

Saiba mais

TEORIA DA RELATIVIDADE

A Teoria da Relatividade foi desenvolvida pelo físico alemão Albert Einstein no início do século XX. Ela vem em dois “sabores”: a relatividade restrita e a geral.

RESTRITA: A relatividade restrita diz que a velocidade da luz medida no vácuo é a mesma sob qualquer referencial de observação. Mesmo que um objeto esteja se afastando ou se aproximando, a velocidade relativa da luz não muda. Para que a velocidade seja sempre a mesma, há uma dilatação no tempo.

GERAL: A relatividade geral adiciona gravidade à relatividade restrita. Ela diz que o espaço e o tempo são uma coisa só. É como se ele fosse uma grande superfície elástica. Planetas colocados sobre essa superfície “afundam” o plano por causa de sua massa ou velocidade. À medida que um satélite, por exemplo, se move na direção de um planeta, ele cai em direção ao astro por causa dessa deformação. Se o espaço-tempo for uma espécie de superfície que se estica com a presença de objetos pesados, isso significa que o tempo passa mais devagar nas proximidades desses objetos.

Veja como a Terra poderia deformar o espaço-tempo (região quadriculada):

Alteração do espaço-tempo

Leia mais

Neutrinos mais rápidos que a luz desafiam teoria de Albert Einstein

Marcelo Gleiser: neutrino mais rápido que a luz é ‘muito improvável’