Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Telescópio Hubble fotografa asteroide se despedaçando

Asteroide P/2013 R3 — notado pela primeira vez em setembro do ano passado — se dividiu em dez partes

O telescópio espacial Hubble, da Nasa, fotografou pela primeira vez um asteroide se partindo no espaço. As imagens, divulgadas nesta sexta-feira, são do asteroide P/2013 R3, que se rompeu em dez pedaços. “É uma rocha, e vê-la se desintegrar diante de nossos olhos é incrível”, disse David Jewitt, especialista da Universidade da Califórnia em Los Angeles, Estados Unidos, que coordenou a investigação.

Saiba mais

ASTEROIDES

Asteroides são corpos celestes menores do que planetas que vagam pelo Sistema Solar desde sua formação, há 4,6 bilhões de anos. São diferentes de meteoritos, por exemplo – estes são pedaços de asteroides que eventualmente atingem a superfície da Terra.

O asteroide foi notado pela primeira vez como um objeto de aparência incomum no dia 13 de setembro do ano passado. Uma observação feita em 1º de outubro revelou três corpos se movendo juntos envoltos por uma camada de poeira.

Depois disso, observações do telescópio Hubble identificaram dez desses pedaços no total, todos parecidos com cometas. O maior fragmento tem cerca de 400 metros de diâmetro – cerca de quatro vezes o comprimento de um campo de futebol.

Leia também:

Astrônomo grava impacto de asteroide contra a Lua

Telescópio Hubble encontra água na atmosfera de exoplanetas

De acordo com a Nasa, as imagens mostram que os fragmentos se afastam a uma velocidade de 1,5 quilômetro por hora – mais lentamente do que uma pessoa caminhando devagar, por exemplo.

“Nunca vimos nada assim antes. A desintegração do asteroide pode ter vários motivos, mas as observações do Hubble são detalhadas o suficiente para que possamos identificar a real causa”, diz Jessica Agarwal, do Instituto para Pesquisa do Sistema Solar Max Planck, da Alemanha. Segundo os especialistas, é improvável que o asteroide P/2013 R3 tenha colidido com um objeto similar. Nesse caso, a desintegração seria mais instantânea e violenta do que o observado.