Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

SP estreia medição mais rigorosa com ar bom em 7 das 14 estações

Embora a capital não registre uma chuva forte desde o dia 14, as condições do ar nesta sexta-feira estavam favoráveis à dispersão dos poluentes

Com padrões mais rígidos, a nova classificação da qualidade do ar do estado de São Paulo começou a ser informada nesta sexta-feira para a população. Mas, ao contrário do que se podia imaginar, foi registrado apenas um ponto com qualidade ruim, em Cubatão, no litoral. Das 46 estações meteorológicas, 22 apresentaram situação boa, e 23, moderada. Na capital, o cenário foi parecido: em sete estava boa, em outras sete, moderada. Embora a capital não registre uma chuva forte desde o dia 14, as condições do ar nesta sexta-feira estavam favoráveis à dispersão dos poluentes.

O decreto do governador, de 24 de abril, definiu os padrões mais rigorosos para a aferição de poluentes, e foram necessárias algumas semanas para a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) atualizar os sistemas de análise da qualidade do ar. Segundo Maria Helena Martins, gerente da Divisão de Qualidade do Ar da Cetesb, pelos padrões antigos, a condição de sexta-feira seria considerada regular em Cubatão, em vez de ruim, segundo os novos parâmetros.

Na capital, essa mudança também foi observada em pelo menos duas estações, na de Congonhas e na Ipen/USP. Em ambas, a qualidade do ar seria considerada boa pelos antigos critérios e agora passou a moderada. Maria Helena explica que é difícil comparar todos os pontos com os padrões antigos porque não só mudou a forma de classificar os poluentes como também a maneira de calculá-los.

Se a qualidade do ar na sexta-feira não estava tão ruim na capital, o que diminuiu o conforto do paulistano durante o dia foi a falta de umidade. De acordo com informações do Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), a umidade relativa do ar ficou em torno de 38%, e a estimativa é de que o quadro pode piorar entre neste sábado e domingo, podendo ficar entre 20% e 30%. Abaixo de 30%, já é decretado estado de atenção.

(Com Estadão Conteúdo)