Rússia: sobe a 950 total de feridos após queda de meteorito

À CNN, porta-voz da Nasa informa que incidente não tem relação com asteroide que passará perto da Terra nesta sexta-feira

Pelo menos 950 pessoas ficaram feridas nesta sexta-feira após a queda de um meteorito na região russa de Tcheliabinsk, nos Montes Urais (centro do país). As ondas de choque provocadas pela entrada do corpo celeste na atmosfera estilhaçaram janelas e sacudira prédios nas proximidades. Segundo as autoridades russas, a maioria dos feridos sofreu apenas lesões leves – 46, contudo, permanecem internados.

Em pronunciamento após o incidente, o presidente russo Vladimir Putin agradeceu a Deus pelo fato de nenhum fragmento ter atingido regiões mais povoadas. Especialistas da Academia de Ciências Russa acreditam que o incidente foi provocado por um meteorito com peso estimado em 10 toneladas que atingiu a atmosfera terrestre a uma velocidade de 54.000 quilômetros por hora e desintegrou-se a uma altura entre 30 e 50 quilômetros do chão. De acordo com comunicado da Academia, fragmentos do meteorito acabaram por atingir o solo.

De acordo com levantamento da agência de notícias EFE, o episódio desta sexta é o mais grave incidente originado por um corpo celeste na Terra nos últimos anos, provocando danos em pelo menos seis cidades. O corpo celeste caiu por volta das 9h20 hora local (1h20 horário de Brasília), a cerca de 80 quilômetros da cidade de Satka, capital do distrito homônimo.

Saiba mais

QUAL A DIFERENÇA ENTRE ASTEROIDE, METEORITO E METEORO?

Asteroides são corpos celestes menores que planetas que vagam pelo Sistema Solar desde sua formação, há 4,6 bilhões de anos. Meteoritos são pedaços de asteroides que eventualmente atingem a superfície da Terra. Meteoros são os rastros luminosos produzidos por pedaços de asteroides em contato com a atmosfera da Terra, resultado do atrito com o ar, e são popularmente reconhecidos como estrelas cadentes.

A queda aconteceu no mesmo dia em que está prevista a passagem do asteroide 2012 DA14, que tem entre 45 e 95 metros de diâmetro, a 27.860 quilômetros da Terra – a maior aproximação já registrada de um objeto cósmico com o nosso planeta. Em entrevista à rede americana CNN, o porta-voz da Nasa Steve Cole afirma que os incidentes não passam de uma “coincidência”. “São objetos completamente alheios. É uma estranha coincidência que estejam ocorrendo ao mesmo tempo”, afirmou. “Esse tipo de corpo celeste cai com muita frequência, mas costuma cair no mar ou no deserto, onde não provoca consequências para população”, explicou.

Um meteorito também foi o responsável pela gigantesca explosão que devastou 2.200 quilômetros e arrasou mais de 80.000 árvores na manhã do dia 30 de junho de 1908 na região do rio Tunguska na Sibéria. A explosão do chamado “evento de Tunguska” foi estimada em 300 vezes maior que a da bomba nuclear de Hiroshima. Ela não criou, no entanto, uma cratera na terra e suscitou todo tipo de teorias exóticas, inclusive a de que a explosão foi causada por uma nave extraterrestre.

Leia também:

Leia também: Como defender o planeta dos asteroides

Histórico – Segundo os cientistas, a queda de um meteorito de 10 quilômetros de diâmetro sobre a península de Iucatã, no México, foi a responsável pelo fim da era dos dinossauros há 65,5 milhões de anos e afetou quase 70% das espécies do planeta. A maior cratera originada pelo impacto de um meteorito na Terra foi descoberta em 2006 na região oriental da Antártida e tem 480 quilômetros de diâmetro. Está a uma profundidade de quase dois quilômetros sob a camada de gelo e calcula-se que a queda aconteceu há 250 milhões de anos.

Os episódios em que fragmentos de um meteorito atingiram a Terra são muitos, mas são poucas as ocasiões das quais existem evidências concretas de que tenham causado danos. Em setembro de 1999 um pequeno meteorito caiu sobre uma casa na cidade de Kobe (Japão) e perfurou o telhado, sem deixar nenhum ferido. A rocha se fragmentou em duas partes ao se chocar com a casa, sendo que a maior media cinco centímetros e pesava 60 gramas.

Em março de 2003 uma chuva de meteoritos, que tinha entre um e dez centímetros de diâmetro, caiu sobre os estados de Illinois, Indiana, Ohio e Wisconsin, no meio oeste dos Estados Unidos. Não foram registradas ocorrências de feridos, apesar dos objetos terem atravessado os telhados de duas casas.

Asteroides – Em relação aos asteroides, são vários os “potencialmente perigosos” que passaram próximos da Terra nos últimos anos, mas nenhum chegou tão perto quanto o 2012 DA14 irá chegar. Em março de 2009, o DD45 – com cerca de 30 metros de diâmetro – passou a 70.000 quilômetros da superfície terrestre, sobre o Oceano Pacífico nas proximidades do Taiti.

Em outubro do mesmo ano, um asteroide com entre cinco e dez metros de diâmetro explodiu na atmosfera sobre a Indonésia com uma potência de 50 quilotons – três vezes maior que a bomba de Hiroshima. Em outubro de 2008, um pequeno asteroide de cinco metros de diâmetro colidiu com a atmosfera terrestre sobre o Sudão, sendo o primeiro a ser acompanhado pelos cientistas antes de atingir a Terra.

No vídeo a seguir, acompanhe o momento da queda do meteorito:

http:http://www.youtube.com/embed/90Omh7_I8vI

(Com agência EFE)