Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Nova técnica pode detectar moléculas essenciais para a vida fora do Sistema Solar

Astrônomos esperam que estratégia permita apontar a presença de água, monóxido de carbono, oxigênio ou metano em exoplanetas

Telescópios cada vez mais potentes têm ajudado os astrônomos a descobrir um grande número de planetas fora do Sistema Solar – desde a década de 1990 já foram catalogados mais de 900, e a quantidade não para de aumentar. A maioria dos exoplanetas descobertos são gasosos e estão muito perto de suas estrelas. No entanto, alguns deles são rochosos e se localizam na zona habitável de seu sistema estelar, onde o clima permite a existência de água em forma líquida, uma das condições necessárias para o surgimento da vida.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Detection of water absorption in the dayside atmosphere of HD 189733 b using ground-based high-resolution spectroscopy at 3.2 microns

Onde foi divulgada: conferência anual da Sociedade Astronômica Real da Grã-Bretanha

Quem fez: J. L. Birkby, R. J. de Kok, M. Brogi, E. J. W. de Mooij, H. Schwarz, S. Albrecht e I. A. G. Snellen

Instituição: Universidade de Leiden, na Holanda, entre outras

Resultado: Os pesquisadores descobriram traços de água no espectro de luz refletido pelo planeta HD 189733b

Até agora, porém, os pesquisadores não tinham como saber que tipo de molécula podia ser encontradas em sua superfície, tornando impossível confirmar se eles eram, de fato, habitáveis. Um grupo de pesquisadores da Universidade de Leiden, na Holanda, apresentou nesta sexta-feira uma técnica capaz de detectar moléculas complexas – como água e monóxido de carbono – na superfície de exoplanetas. A presença destas moléculas pode indicar se os exoplanetas possuem a composição química essencial para a vida. O estudo foi apresentado durante a conferência anual da Sociedade Astronômica Real da Grã-Bretanha.

Leia também:

Via Láctea abriga bilhões de planetas potencialmente habitáveis, diz estudo

Os cientistas testaram a técnica no planeta HD 189733b, localizado a 63 anos-luz da Terra. Ao usar um espectrógrafo instalado no Very Large Telescope, telescópio do Observatório Europeu Austral (ESO) instalado no Chile, eles foram capazes de detectar traços de água no espectro de luz refletido pelo corpo.

O HD 189733b está localizado em uma órbita muito próxima de sua estrela, onde a água só existe em estado gasoso e a vida é impossível. Mas a técnica poderá ser usada, no futuro, para analisar outros tipos de planeta, inclusive aqueles localizados em zonas habitáveis.

Investigação molecular – Essa técnica já havia sido usada para detectar traços de monóxido de carbono no mesmo planeta, mas ainda não havia encontrado nenhum tipo de molécula mais completa. “Nós sabíamos que a estratégia funcionaria para moléculas simples, em comprimentos de onda mais curtos. Para encontrar água, no entanto, tivemos que explorar comprimentos de onda maiores, onde a atmosfera realmente começa a bloquear os sinais que nós procuramos”, explicou Jayne Birkby, astrofísica que participou do estudo.

Os pesquisadores esperam que, depois de confirmarem a existência de água, possam usar a mesma técnica para descobrir outras moléculas essenciais para a vida, como o oxigênio e o metano. “Ficamos muito felizes quando o sinal de água apareceu. Isso significa que podemos fazer ainda mais com essa técnica”, diz a pesquisadora.

(Com Agência France-Presse)