Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Madrugada desta terça-feira terá chuva de meteoros

Fenômeno será visível no Brasil inteiro a partir das 4h da manhã

A passagem do cometa Halley, um dos mais famosos eventos espaciais, ainda está longe de se repetir. Como o astro nos visita a cada 75 anos, e passou pela Terra pela última vez em 1986, a projeção é que seja possível vê-lo novamente em 2061. Duas vezes por ano, porém, a Terra passa pela órbita de Halley, e os fragmentos de rochas e poeira que se desprendem do cometa causam chuvas de meteoros. Uma delas, denominada chuva de Eta Aquarídeos, poderá ser vista na madrugada desta terça-feira.

“Meteoros são fenômenos luminosos que acontecem quando um pedaço de rocha espacial entra em atrito com a atmosfera e sofre vaporização, tornando-se brilhante”, explica Enos Picazzio, astrofísico do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP (IAG-USP). Isso pode acontecer com uma rocha isoladamente ou vários fragmentos vindos de um mesmo local – o que caracteriza as chuvas de meteoros. Quando a Terra passar pela órbita do cometa Halley, os fragmentos liberados por ele se chocam com a atmosfera, provocando o espetáculo que pode ser observado no céu. Como as partículas costumam ser muito pequenas, elas ou se desintegram antes de atingir o solo terrestre ou chegam aqui em forma de poeira espacial.

Leia também:

Saiba a diferença entre asteroides, meteoros e meteoritos

Nesta passagem, as horas que antecedem o amanhecer da terça-feira serão o melhor momento para observar a chuva de Eta Aquarídeos. Segundo o astrônomo Marcos Calil, coordenador científico do planetário de Santo André e consultor da Climatempo, por volta das 4h da manhã (horário de Brasília), a chuva poderá ser vista na direção Leste. “Nesse horário já é possível observar Vênus, um ponto prateado muito brilhante próximo do horizonte, a Leste. Um pouco para cima está a constelação de Aquário, onde vai acontecer a chuva”, explica especialista.

Estima-se que haverá, no máximo, 45 meteoros por hora, um pouco menos de um por minuto, embora na prática o fenômeno não seja tão uniforme. “Podem vir três meteoros de uma vez, passar alguns minutos sem nenhum, depois aparecerem outros”, afirma Calil. Essa projeção se refere a condições ideias de observação. Para quem mora em cidades, a média pode cair drasticamente, chegando a cerca de cinco meteoros por hora, devido à iluminação intensa e à poluição, que prejudicam a visão do fenômeno. A luz da Lua não será um fator a atrapalhar a observação da chuva de meteoros, já que o satélite terá se posto às 23h desta segunda-feira.

Os meteoros serão vistos rapidamente, em questão de segundos, e não serão muito brilhantes. Com chuva ou céu nublado, a visão será prejudicada ou impossível. “É preciso ter paciência, e ficar olhando para a mesma direção por um longo período”, ressalva Picazzio.