Estudo comprova: ficar longe do celular causa ansiedade

Participantes tiveram pior desempenho em testes cognitivos quando se afastaram de seus smartphones

O uso de smartphones tornou-se tão frequente na vida das pessoas que distanciar-se deles pode causar ansiedade. É o que revelou uma pesquisa feita com usuários de iPhone, publicada no domingo no periódico Journal of Computer-Mediated Communication.

No estudo, pesquisadores pediram para 40 pessoas resolverem jogos de palavras no computador, e disseram a elas que se tratava de um teste para um medidor de pressão wireless. Durante o experimento, os voluntários relatavam seus níveis de ansiedade e tinham seu batimento cardíaco e a pressão sanguínea monitorados. Em determinado momento, os cientistas disseram que os celulares precisavam ficar longe dos participantes, porque estavam causando interferência nos equipamentos. Enquanto os indivíduos continuavam a fazer os testes, os pesquisadores telefonaram para seus celulares.

Leia também:

Uso de smartphone aumenta atividade cerebral, diz estudo

Mulheres são menos tolerantes com o uso de smartphones no trabalho

Resultado – O desempenho dos voluntários no jogo piorou quando eles foram afastados de seus smartphones. Além disso, em comparação com a primeira etapa do experimento, aumentaram a ansiedade, os batimentos cardíacos e pressão sanguínea dos participantes.

“Nosso estudo sugere que afastar-se do telefone pode impactar de forma negativa o desempenho em tarefas mentais e que os celulares são capazes de se tornar uma extensão de nós, a ponto de a separação causar um estado psicológico negativo”, afirma Russell Clayton, doutorando da Universidade do Missouri, nos Estados Unidos. Os autores aconselham que os usuários evitem se afastar dos telefones durante situações cotidianas que requerem atenção, como testes, conferências ou reuniões.

(Da redação de VEJA.com)