É possível ter um macaco como animal de estimação?

Para adquirir primatas legalmente no Brasil, é preciso que eles sejam nascidos em cativeiros autorizados pela secretaria ambiental do respectivo estado

Após o desaparecimento (e reencontro) do macaco-prego de estimação do cantor Latino, Twelves, muitos questionaram a legalidade da posse deste animal silvestre, ostentado também por outros famosos como Emerson Sheik e Justin Bieber. Segundo a bióloga Maria Izabel Gomes, coordenadora de monitoramento da fauna do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), é possível adquirir primatas nascidos em cativeiro desde que a venda esteja autorizada pela secretaria ambiental do respectivo estado. Além da emissão de nota fiscal, o criatório precisa emitir também o Certificado de Origem, documento que atesta a proveniência legal da espécie, no momento da compra.

A lista de animais cuja reprodução está autorizada em cativeiro varia conforme o estado, mas entre as mais comuns estão aves, répteis, primatas e jabutis. Apesar da regulamentação, a compra de animais silvestres tem caído no país em detrimento dos domésticos, afirma Maria Izabel. “A criação de animais silvestres faz parte da cultura do Brasil há centenas de anos. Mas como eles vivem muito mais tempo que gatos e cachorros e não são fáceis de lidar por conta de suas especificidades, estamos vivenciando uma tendência de queda na sua comercialização”, afirma.

Justin Bieber e o macaco Mally

Justin Bieber e o macaco Mally (Reprodução/ Instagram/VEJA)

Segundo a bióloga, um macaco-prego pode viver por até vinte anos em cativeiro. Já um papagaio por até oitenta anos e o jabuti pode chegar a cem. “As pessoas têm que ter a consciência na hora de comprar esses bichos que eles vão passar de geração em geração dentro da família. O neto provavelmente terá que cuidar do papagaio adquirido pelo avô.”

O veterinário Matheus Rabello, especialista em animais silvestres, também alerta para a necessidade de se avaliar a compra. “É preciso saber as necessidades de cada espécie antes de comprar. Qual a alimentação adequada e demais cuidados necessários. Além disso, é importante encontrar um animal que se adeque à rotina do comprador. O macaco-prego, por exemplo é como uma criança, com muita força e inteligência, mas sempre dependente”, explica Rabello.

É preciso ter ainda um recinto com, pelo menos, três metros quadrados, que tenha brinquedos, esconderijos e galhos para que o macaco seja constantemente estimulado, de modo a evitar comportamentos agressivos e promover seu desenvolvimento apropriado, afirma o veterinário. Um treinador também é necessário, bem como o contato com outras pessoas, de modo a adestrar e acostumar o animal.

Macaco de estimação

De acordo com os especialistas, ter um macaco em casa apresenta riscos, já que todos os primatas desenvolvem um comportamento agressivo a partir da puberdade. Rabello, inclusive, não o recomenda como animal de estimação. Dessa forma, os cativeiros selecionam os mais mansos para venda, a cerca de 60.000 reais, e mantém os mais violentos para reprodução. Além disso, primatas também podem transmitir raiva se não forem devidamente vacinados.

Macaco Prego (Sapajus apela)

Sapajus apela, espécie mais vendida de macaco-prego no Brasil (iStock/Getty Images)

Já quanto a febre amarela, a bióloga afirma que eles são apenas hospedeiros da doença que é transmitida exclusivamente pela picada do Aedes Aegypti. Caso um macaco de estimação porte a doença, é provável que seus donos também estejam contaminados por estarem na mesma área de atuação do mosquito transmissor.

Animal silvestre x animal doméstico

A bióloga Maria Izabel ainda salientou a diferença entre animais silvestres e domésticos. Os primeiros podem ser encontrados tanto em cativeiros, como na natureza – caso dos animais selvagens –, tendo o mesmo código genético. Já os domésticos, não são mais encontrados na natureza por terem sido domesticados por milhares de anos. Por exemplo, um papagaio é um animal silvestre que pode ser criado em cativeiro ou encontrado em seu habitat natural. Já os cachorros não são mais encontrados na natureza e sua genética varia dos cães selvagens e dos lobos.