Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Desmatamento da Mata Atlântica aumenta 9%

O total de floresta perdida equivale a 150 Parques do Ibirapuera, dois a mais do que no período anterior

A taxa de desmatamento da Mata Atlântica voltou a subir em 2013, pelo segundo ano consecutivo, atingindo o maior nível desde 2008. No período de 2012 a 2013, foram perdidos 23.948 hectares, ou 239 quilômetros quadrados de remanescentes nos 17 Estados da Mata Atlântica, um aumento de 9% em relação ao período de 2011-2012, que registrou 21.977 hectares de supressão.

As informações são da nova edição do Atlas de Remanescentes Florestais da Mata Atlântica, que será lançado nesta terça-feira pela Fundação SOS Mata Atlântica e pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O total de floresta perdida equivale a 150 Parques do Ibirapuera. Na comparação com o período anterior, foram dois parques a mais desmatados de 2012 para 2013.

O valor não é pequeno, ainda mais considerando que, se somados todos os trechos com mais de 3 hectares, restam de Mata Atlântica somente 12,5% dos 1,3 milhão de quilômetros quadrados originais. Se forem contados somente os grandes remanescentes, com mais de 100 hectares, sobram 8,5% de Mata Atlântica. Tudo o que já foi perdido equivale à área de 12 cidades de São Paulo.

Desde o início dos anos 2000, porém, a taxa de devastação vinha despencando ano a ano. Em parte porque em muitos Estados, como São Paulo e Rio, restou pouco a ser retirado, em parte porque aumentou a fiscalização e também por consequência da Lei da Mata Atlântica, de 2006, que aumentou a proteção sobre o bioma. Mas, nos últimos três anos, os índices começaram a subir. No período de 2011 a 2012 já havia ocorrido um aumento de 29% em relação ao período de 2010 e 2011. “Depois da redução drástica, a gente até achou que não teria mais aumento. Não é o que está acontecendo e estamos preocupados”, comenta Márcia Hirota, diretora executiva da SOS Mata Atlântica.

Leia também:

Morte de árvores é investigada no litoral norte de SP

Líderes – A atenção se volta agora principalmente para Estados que lideram perdas: Minas Gerais, Piauí, Bahia e Paraná. Juntos, eles respondem por 91,75% do que foi desmatado. Minas é o campeão pelo quinto ano consecutivo, com 8.437 hectares, apesar de ter apresentado uma redução de 22% entre 2012 e 2013, na comparação com o período anterior. De acordo com Márcia, essa redução se deve a uma moratória que foi firmada no Estado logo depois que o Atlas do ano passado foi lançado e que impediu a concessão de licenças e autorizações para supressão de vegetação nativa do bioma. “Mesmo assim, continuaram os cortes ilegais, principalmente para a conversão em carvão para siderúrgicas”, diz.

Outro Estado que chamou a atenção é o Piauí, que teve um aumento de 150% de desmatamento entre 2012 e 2013. O corte atingiu 6.633 hectares, contra 2.658 entre 2011 e 2012. “Temos percebido uma pressão da soja que está chegando ao sudoeste do Estado, onde é fronteira do Cerrado com Mata Atlântica”, explica Márcia. “Em um só local vimos uma supressão de mais de 5 000 hectares. Não temos visto cortes desse tamanho. Foi uma surpresa.” A pesquisadora afirma que os dados serão enviados para o Ministério Público e para o governo do Piauí. “Vamos pedir uma moratória, da mesma forma que fizemos com Minas.”

(Com Estadão Conteúdo)