Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cientistas detectam câncer de ‘pele’ em peixes do Pacífico

Truta de coral tem manchas negras no couro, resultado da produção desenfreada de melanoma, habitat está abaixo do buraco da camada de ozônio

Pela primeira vez, cientistas da universidade de Newcastle, na Grã-Bretanha, e do Instituto Australiano de Ciência Marinha, detectaram sinais de câncer de ‘pele’ em peixes que habitam a região da Grande Barreira de Corais, entre a Austrália e a Papua-Nova Guiné, bem abaixo do maior buraco da camada de ozônio. O estudo foi publicado no periódico científico Plos One.

A doença foi encontrada em peixes da espécie Plectropomus leopardos, conhecido como truta de coral, abundante na região. Os peixes apresentaram manchas negras no couro, algumas cobrindo quase todo o corpo do animal, outras atingindo parte da área (leia mais abaixo).

Manchas negras são indício de câncer de pele em trutas que vivem no Grande Recife de Corais

Dos 136 peixes analisados, 15% apresentaram essas lesões. Para Michael Sweet, da universidade de Newcastle e coordenador do estudo, os números são significativos.

“Concentramos esforços nesta espécie de truta, mas durante a pesquisa percebemos padrões parecidos de melanoma em pelo menos outras duas espécies que vivem na mesma área”, falou. “As amostras são de peixes com câncer de ‘pele’ superficial. Mas como o animal fica mais vulnerável ao desenvolver a doença, se locomove menos e come pouco, acreditamos que eles se tornam presas fáceis da pesca e, por isso, pode haver mais casos de doenças nos animais marinhos”, falou.

Câncer em peixes – Até então, casos de câncer de ‘pele’ em peixes só era conhecido em espécies usadas dentro de laboratórios, para estudo da evolução da doença. Nestas espécies, genes que sofriam mutação passavam a produzir melanoma desenfreadamente. Fora do laboratório, esta é a primeira vez que a doença é descrita.

Buraco na camada de ozônio – Michael Sweet ainda não diz categoricamente que o câncer no couro dos peixes é causado pela exposição extensiva aos raios ultravioleta devido ao buraco na camada de ozônio na região. Segundo ele, outros estudos mais conclusivos precisam ser feitos para comprovar a hipótese.

No entanto, Sweet afirma que os padrões de melanoma nas trutas são os mesmos apresentados em peixes de laboratório alterados geneticamente para desenvolver a doença. Segundo Sweet, isso pode ter ocorrido também com a espécie estudada.

“Dado o cenário de alterações climáticas e as mudanças constantes no ambiente de corais, entender a causa da doença é importante para contribuir para preservação dos recifes de coral e seus habitantes”, falou Sweet.

O próximo passo será estudar uma amostra maior de peixes para tentar determinar a extensão da doença na população de animais marinhos e os reflexos dessa doença no modo de vida dos cardumes.

Entrevista

Michael Sweet

Pesquisador da Universidade Newcastle, na Grã-Bretanha

Como começou essa pesquisa?

Estávamos fazendo uma pesquisa sobre doenças em recifes de coral na Ilha Heron, na Grande Barreira de Corais, e ao mesmo tempo um grupo de pesquisadores do Instituto Australiano de Ciências Marinhas conduzia outra pesquisa com tubarões e suas presas, que são as trutas de coral. Por muitos anos eles percebiam manchas escuras nos peixes, mas não sabiam a quem recorrer. Eu me ofereci para estudar a doença. Inicialmente achávamos que era um fungo, mas a análise mostrou que se tratava de uma produção desorganizada de melanina, indício de câncer.

Esta é a única espécie de peixe com câncer?

No início da pesquisa, focamos apenas em trutas de coral. No entanto, logo descobrimos os mesmos sintomas em outras duas espécies de truta da região. Com a divulgação da pesquisa esperamos encontrar ainda mais relatos de casos semelhantes.

Esse tipo de câncer já havia aparecido em peixes antes?

Em tudo que conhecemos da vida marinha, isso nunca foi relatado em peixes antes. No entanto, há casos de câncer no couro de peixes de laboratório. Eles passam por mutação genética para desenvolver a doença e ajudar a estudar a evolução do câncer de pele em seres humanos.

Qual é a causa desta doença em peixes?

Precisamos de mais pesquisas para determinar a causa, mas nosso estudo mostra que não se trata de doença microbiana. No entanto, encontramos relação forte entre as nossas amostras e os peixes de laboratório com câncer, o que sugere que a exposição aos raios UV-B é a causa mais relacionada ao câncer no couro de peixes. Isso está associado a uma maior prevalência da doença em peixes que estão abaixo do buraco da camada de ozônio, no hemisfério sul, reforça nossa hipótese. No entanto, mais pesquisas precisam ser feitas para comprovar essa tese.

Grande barreira de corais na Austrália