Brasil reduz emissões de gases do efeito estufa em 41% entre 2005 e 2012, diz ministério

De acordo com relatório divulgado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, no entanto, as emissões para geração de energia aumentaram de 16% para 37% no mesmo período

As emissões brasileiras de gases do efeito estufa caíram 41,1% entre 2005 e 2012, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). No entanto, as emissões para a geração de energia aumentaram de 16% para 37%.

As informações do relatório Estimativas Anual de Emissões de Gases de Efeito Estufa no Brasil mostram que a redução foi de 2,03 bilhões de toneladas de emissões, em 2005, para 1,2 bilhão, em 2012.

Os maiores produtores de 2012 são os setores energéticos, de agricultura e pecuária, com 37% das emissões cada. Em 2005, a agricultura e pecuária respondiam por 20% das emissões.

Leia também:

Obama e Xi Jinping anunciam acordo para combater mudança climática

ONU: efeito estufa pode elevar temperatura mundial em 4 graus até 2100

Segundo o relatório, a queda é resultado da redução do desmatamento, a partir de 2004. O setor de uso da terra e floresta, que em 2005 respondia por 58% das emissões gás carbônico, em 2012 passou a registrar 15% das emissões no país.

Além de gás carbônico, a conta também inclui gases como o metano e óxido nitroso.

Metas de emissões – Para Carlos Nobre, secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do MCTI, se essa trajetória continuar, o Brasil poderá atingir as metas máximas de emissão antes do prazo previsto, em 2020. A projeção de emissões de gases de efeito estufa foi estimada em 3,2 milhões de toneladas para 2020, compromisso assumido voluntariamente pelo Brasil na Convenção do Clima em Copenhague, em 2009. As emissões em 2012 estão 44% menores do que o projetado para o ano.

“Vemos que as emissões pelo uso da terra e florestas continuam descendentes. Outra boa notícia é que as emissões da agropecuária sinalizam tendência de estabilização bem mais rápida que supúnhamos”, disse o secretário.

(Com Agência Brasil)