Escolas de Samba

MOCIDADE INDEPENDENTE DE PADRE MIGUEL

Fundação: 10/11/1955
Cores: Verde e branco
Presidente: Paulo Vianna
Quadra: Rua Coronel Tamarindo, 38 - Padre Miguel - Rio de Janeiro - RJ.
Tel: (21) 3332-5823
Barracão: Cidade do Samba (Barracão nº 10) - Rua Rivadávia Correa, nº 60 - Gamboa
Site: www.mocidadeindependente.com.br

Antonia Fontenelle Antonia Fontenelle (AgNews/Roberto Filho)
  • Diretor de Carnaval: Ricardo Simpatia
  • Carnavalesco: Alexandre Louzada
  • Diretores de Harmonia: Jefinho
  • Intérprete: Luizinho Andanças
  • Mestres de bateria: Bereco e Dudu - Coordenadores: Odilon e Andrezinho
  • Rainha de bateria: Antonia Fontenelle
  • Casal de mestre-sala e porta-bandeira: Róbson e Ana Paula
  • Comissão de frente: Renato Vieira
  • Enredo: "Por ti, Portinari: Rompendo a tela, à Realidade"
    áudio

  • Autores: Diego Nicolau, Gabriel Teixeira e Gustavo Soares

Eu guardei em mim
A mais linda inspiração
Pra exaltar em tua arte
A brasilidade de sua expressão
Desperta gênio pintor
Mostra teu talento, revela o dom
Deixa a estrela guiar
Faz do firmamento, seu eterno lar
Solto no céu feito pipa a voar
Quero te ver qual menino feliz
Planta a semente do sonho em verde matiz

Emoção, me leva...
Livre pincel a deslizar
Vou navegar, desbravador
Um errante sonhador

Voar pelas asas de um anjo
Num céu de azulejos pedir proteção
Vida de um retirante
No sol escaldante que queima o sertão
Moinhos vencer... Histórias de amor
Riscar poesias em lápis de cor
Você, que do morro fez vida real
Pintou nossos lares num lindo mural
Você, retratando a alma, se fez ideal
Meu samba canta mensagens de "guerra e paz"
Seu nome será imortal em nosso Carnaval

É por ti que a Mocidade canta
Portinari, minha aquarela
Rompendo a tela, a realidade
Na voz da minha mocidade

Ao escolher Candido Portinari como tema, a Mocidade Independente vem celebrar um dos maiores nomes da pintura brasileira no cinquentenário de seu desaparecimento.

Através de suas mais importantes obras, mostraremos a trajetória deste artista que acima de tudo retratou em seus quadros e murais, a história, o povo e a vida dos brasileiros, através dos traços fortes e vigorosos carregados de dramaticidade e expressão.

Esta homenagem escrita em forma de poema é a maneira mais digna
encontrada para festejar este mestre que além de pintar também foi poeta e que entre outras manifestações artísticas soube tão bem ilustrar com seus desenhos os poemas de Carlos Drummond de Andrade, seu grande amigo e parceiro na versão do livro "Dom Quixote de La Mancha", de Miguel de Cervantes.

Por fim é a Mocidade Independente que se orgulha em levar para o desfile um pouco da obra imortal de Portinari ao conhecimento do grande
povo, aquele que sempre foi a sua grande fonte de inspiração.

"Por Ti, Portinari, Rompendo a tela, a realidade"

Num voo mágico, viaja o samba, a conduzir meu povo feliz em seu viajante sonho.

Solto no universo garboso, prosa em verso, na fantasia a se tornar realidade, leva os tambores da felicidade, para despertar o artista na morada celestial.

Ó mestre, ergueis do sono esse quadro vazio. Sua obra vive no cantar de nossa gente.

Põe nas tuas mãos o teu instrumento, tua tela hoje é o firmamento, que a arte se deixa tingir o breu da noite, com um colorido de festa, a aquarela do carnaval.

Vai, reinventa mais um lúdico céu. Pinta por nós a nossa estrela, tu que pintaste tanto a Mocidade, deixa a tua mão deslizar Independente.

Hoje, somos as tintas que envolvem as cerdas do teu pincel, e que, na mistura das cores, por ti, Portinari, rompem a tela para a realidade e brilham no samba de Padre Miguel.

Hoje, uma moldura viva e humana enquadra a tua história na pista, e teu traço se refaz nos pés, no passo do sambista, que vai riscar murais de sonhos e estampar retratos, cena dos Brasis que tu desenhastes.

À luz da inspiração, vem fazer reluzir em nossa mente a cândida infância de tua Brodowski querida, e reflorescer os campos com suor da lida, dos mestiços viris a lavrar a ampla terra.

"Entre o cafezal e o sonho", vem reunir retalhos e as lembranças coloridas, como as dos espantalhos a oscilar na brisa, serenos sobre as plantações.

Hoje, é um tempo que não passa. Um turbilhão, um vento que sopra, que varre e traz recordações, e que vem devolver a ti a meninice.

Musas

Gracyanne Barbosa

As rainhas do carnaval carioca

Escolas de Samba

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados