Vizinho filma mulher e filho pequeno torturando poodle no RS

Caso mobilizou condomínio e moradores registraram queixa na polícia, que começa a investigar agressões nesta segunda; animal foi resgatado e já tem novo dono

Um vídeo de 10m36s colocado na internet mostra uma mulher e seu filho pequeno agredindo um cão da raça poodle toy em um condomínio na Zona Norte de Porto Alegre (RS). O registro foi feito por um vizinho na última sexta-feira. Ele se assustou com os gritos do animal e resolveu gravar a cena com o celular para comprovar as torturas.

Segundo o jornal Zero Hora, o animal havia sido adotado pela família dias antes. As imagens mostram a mulher no andar térreo lançando o cão contra a parede e estimulando o filho a dar pontapés no animal. Além da criança, ela também aparece no vídeo segurando um bebê de colo enquanto bate no filhote, que é arremessado contra a parede várias vezes. “Todos os bichos que tu vê na rua a gente não trata bem. A gente da-lhe pau (sic)”, diz a mulher ao filho.

O morador que gravou o vídeo contou que as agressões começaram por volta das 13h e só terminaram quando a mulher deixou a casa com os filhos perto das 16h. Segundo relato dos vizinhos, ela teria ido até a portaria e, chorando, disse estar “preocupada com o estado de saúde do cachorro”. O animal foi retirado do apartamento da agressora desacordado. O síndico do prédio, que tem uma clínica veterinária, teria convencido o marido da mulher a entregar o filhote. O cão foi examinado e adotado pelo subsíndico do condomínio.

Os moradores decidiram registrar o caso na Polícia Civil, que começará a investigar as agressões nesta segunda-feira. Por haver crianças no vídeo, o Conselho Tutelar também foi acionado. Ainda segundo o Zero Hora, a mulher que aparece no vídeo deixou o condomínio com o marido e os filhos levando duas malas.

Yorkshire – Há pouco mais de um ano, caso semelhante terminou com a morte de um cão da raça yorkshire, espancado por uma enfermeira em Goiânia (GO). A agressão também aconteceu na frente de uma criança.

A Polícia Civil de Formosa (GO) indiciou Camila Corrêa Alves de Moura Araújo dos Santos, de 22 anos, pela agressão contra a cadela, ocorrida em novembro do ano passado. A mulher responde pelo crime de maus-tratos praticados contra o animal e constrangimento de menor, uma vez que as agressões foram presenciadas por sua filha, que na época tinha 1 ano e 6 meses de idade. Camila ainda foi multada em 3 000 reais pelo Instituto Brasileira do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).