Temer é vaiado ao abrir os Jogos Rio-2016

Presidente interino não foi anunciado no início da cerimônia, mas não escapou dos protestos ao fim da festa. Abertura refletiu conturbado cenário nacional

Imerso em profunda crise política e econômica, o Brasil celebrou a tolerância e a diversidade na abertura dos Jogos Rio-2016 – uma festa que refletiu de fato o “espírito da gambiarra”, definido pelos organizadores como “o talento para fazer algo grande a partir de quase nada”. Mas a tensão no país se fez sentir no Maracanã. Para evitar vaias, o nome do presidente interino Michel Temer não foi anunciado ao lado do presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, no início da cerimônia. O peemedebista, contudo, não escapou dos protestos: ao declarar aberta a Olimpíada, Temer foi alvo de sonoras vaias. Falou por menos de 10 segundos. Ao fazer seu discurso, Bach apenas agradeceu às autoridades brasileiras, sem citar Temer nominalmente. A imagem do interino também não apareceu nos telões do Maracanã – tudo parte da estratégia dos organizadores para evitar as manifestações contra Temer.

Antes do início da festa, um grupo chegou a ensaiar um ”fora Temer” das arquibancadas – e outra parcela do estádio vaiou a manifestação. Ao fim do Hino Nacional, houve quem gritasse o nome do juiz Sergio Moro, que comanda as ações decorrentes da Operação Lava Jato em Curitiba. Na última sexta-feira, Temer afirmou que estava “preparadíssimo” para ouvir eventuais vaias no Maracanã. Na cerimônia de abertura da Copa do Mundo de 2014, a presidente afastada Dilma Rousseff foi alvo de vaias e xingamentos no estádio Itaquerão.

Estiveram presentes à cerimônia 38 chefes de Estado e governo – número muito inferior aos 70 que assistiram a festa londrina em 2012 e aos 80 que estiveram em Pequim em 2008. O presidente americano Barack Obama prestigiou a abertura em Londres ao lado da mulher, Michelle. Desta vez, os Estados Unidos enviaram o secretário de Estado John Kerry.

No começo da tarde, em Copacabana, na Zona Sul da cidade, um protesto contra Temer alterou o trajeto do revezamento da tocha olímpica, que deixou de passar por um trecho da orla e seguiu por ruas internas do bairro. Diversos movimentos de esquerda e centrais sindicais protestaram com faixas e cartazes em português e em inglês, em frente ao Hotel Copacabana Palace. Houve um momento de tensão, quando a manifestação foi impedida de avançar, até que a tocha deixasse Copacabana.

Em São Paulo, houve protesto contra os Jogos na Avenida Paulista. A Polícia Militar paulista reprimiu com cassetetes e spray de pimenta cerca de 200 manifestantes que iniciaram uma caminhada a partir do vão do Masp.

Em meio à tensão no país, a festa no Maracanã deu espaço a causas socioambientais. As favelas foram representadas com um show de ritmos como o samba e o funk, que reuniu as cantoras Elza Soare e Ludmilla. O rapper Marcelo D2 e o cantor Zeca Pagodinho simularam um duelo de ritmos, representando a diversidade da música do Rio de Janeiro. A importância dos negros para a cultura nacional foi celebrada com as rappers Karol Conka e McSofia. Manifestações culturais como o maracatu, os bate-bolas e o bumba-meu-boi também dividiram o espaço no palco do Maracanã e o treme-treme, do Pará, foi representado pela Gang do Eletro. Houve também espaço para um alerta sobre o aquecimento global.

Os protestos não ofuscaram a festa no Maracanã. Nas redes sociais, a beleza da cerimônia provocou manifestações de orgulho cada vez mais raras em um país desiludido. A Copa do Mundo de 2014 teve como grande legado a alegria que tomou conta do país ao longo da competição – e que sobreviveu até mesmo ao 7 a 1 da semifinal contra a Alemanha. Há dois anos o mundo conheceu o soft power brasileiro: o termo é usado na diplomacia para definir a competência de um país para conseguir o que deseja por meio de sua cultura e de sua imagem, de sorrisos e paciência, em oposição a balas e canhões.

Ao discursar, o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, apelou a esse poder: “Nunca desistimos, essa é a força do nosso povo. Os filhos do Brasil não fogem à luta”. Foi ovacionado. Pouco depois, foi vaiado ao falar da cooperação entre os três níveis de governo. É o espírito olímpico em tempos de crise política.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Foi otimo que a ptralha nao estava la para envergonhar o Brasil ainda mais depois da destruicao do pais por a corja de bandidos e corruptos ptralhas. Temos mesmo e que lutar para arracar esse cancer chamado PT que se enlastrou por todos os lados e criou uma laia acefala e predadora. Sao esses que saem por ai fazendo algazarra, destruindo tudo e sustentado pelo suor dos que realmente trabalham.

    Curtir

  2. Pedro Passarella Neto

    Parabéns Presidente Temer pelas palmas recebidas!!!! Os idiotas que vaiaram são os mesmos que jogam lixo na rua. Infelizmente !!!!!

    Curtir

  3. Aloizio Barros de Souza

    Temer, continue firme. A carroça passa, os cães ladram. Conte comigo para tirar esse país do buraco e varrer o PT desta nação.

    Curtir

  4. Pietro Muniz Giotto

    Para os que parabenizam esse golpista Michel Temer, saibam que ele foi condenado pela Justiça Eleitoral. Ele está inelegível até 2024. Recebeu vaia, não mandaram ele tomar no c* porquê isso é xingamento típico dos coxinhas.

    Curtir

  5. Hamilton Jgs

    O recado foi dado Sr. Temer. Se o atual Presidente não tiver os ouvidos e os olhos do PT que usa a lenda dos tres macaquinhos pode transformar essas vais em beneficio e trabalhar e fazer um governo “Com o povo e para o Povo” quem sabe um dia em vez de vais receba aplausos.

    Curtir

  6. Rogério Soares

    A pequena presença dos chefes de estado mostra bem o que os outros países acham do golpe….o povo pagará…é uma pena…

    Curtir

  7. Luana Mineiro

    DILMA NUNCA MAIS!!!

    Curtir

  8. Pedro Grasser

    Não sei porque essas vaias,afinal das contas é normal aqui no Brasil ter um presidente inelegível até 2014,que recebeu 10 mi da Odebrecht e tem ministros em seu governo como o um que recebeu 23 mi de caixa dois,sem contar os outros da mesma panela!
    Um presidente interino que nem pode ser anunciado nas olimpíadas,pra não passar vergonha e mesmo assim não escapou da humilhação.
    É realmente acho que exageraram um pouco! kkkk

    Curtir