Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

“SP não ficou na última colocação”, diz secretário

Por Wladimir D’Andrade

São Paulo (AE) – O secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano, Miguel Luiz Bucalem, tentou minimizar a 24ª colocação de São Paulo em estudo divulgado hoje que avalia infraestrutura, atividade econômica e aspectos socioambientais de 26 centros urbanos mundiais. Para ele, a capital paulista está sendo comparada na pesquisa da consultoria PricewaterhouseCoopers (PwC) com cidades que já atingiram um nível de desenvolvimento “bastante elevado”.

“Não vejo de forma negativa”, afirmou. Entre os 26 centros urbanos analisados pela pesquisa “Cidades de Oportunidade” estão Nova York, Londres e Toronto, mas também Xangai, Cidade do México e Istambul, todas à frente da capital paulista, e Johannesburgo e Mumbai, nas últimas piores colocações. “São Paulo não ficou em último”, disse. A cidade é a terceira pior entre as 26 cidades.

O estudo analisou dados de entidades internacionais, como Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Mundial (Bird), e informações da administração das 26 cidades. A partir de dez indicadores compostos por 66 variáveis, o estudo elaborou pela primeira vez um ranking geral, que é liderado por Nova York e seguido por Toronto e São Francisco. Na ponta de baixo da classificação estão Santiago (22.º), Istambul (23.º), São Paulo (24.º), Johannesburgo (25.º) e, por último, Mumbai (26.º).

Dos dez indicadores, a capital paulista apresentou desempenho baixo em oito. Foi classificada como médio em Demografia e Qualidade de Vida (15.ª posição) e apresentou alto desempenho em Sustentabilidade (8.º).

Ao explicar a penúltima colocação de São Paulo no indicador Saúde e Segurança – à frente apenas de Moscou -, Bucalem afirmou que o índice de homicídio por habitante tem caído nos últimos anos. Sobre a 23ª colocação em Facilidade de Fazer Negócios, o secretário disse que já foram tomadas medidas para minimizar a burocracia, como a implementação de um sistema eletrônico de licenciamento de atividades.

Admitiu também problemas com trânsito – São Paulo, junto com Mumbai, é a 3.ª pior colocada na categoria Transporte e Infraestrutura – e disse que a solução virá da melhoria do sistema urbano e do uso mais intenso das áreas centrais da cidade que possuem melhor infraestrutura.

O secretário paulistano de Desenvolvimento Urbano citou que há “muitas obrigações” e “recursos limitados”, mas disse que a cidade dobrou o seu Produto Interno Bruto (PIB) de 2003 para 2008. Disse ainda que já existem “vários projetos” que buscam corrigir os problemas da cidade e mencionou o SP2040, planejamento que busca ações continuadas para a cidade para os próximos 30 anos.