Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Seis policiais são presos por homicídio de jovem em SP

Ataques a dois ônibus ocorridos durante a madrugada teriam sido revanche ao assassinato cometido por PMs

A Polícia Civil prendeu, na noite deste domingo, seis policiais militares envolvidos na morte de um jovem de 17 anos na zona norte de São Paulo. O crime, ocorrido durante a madrugada, teria motivado o incêndio de dois ônibus no Jardim Brasil, também na zona norte. O ataque causou a morte de dois passageiros que não conseguiram sair do ônibus à tempo. O jovem assassinado pelos policiais é Maycon de Moraes. Além dele, os policiais também teriam ferido outro jovem durante a troca de tiros: Valter Marques da Silva Junior, que está hospitalizado.

Moradores do bairro ouvidos pelo delegado do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) Charles We Ming Wang indicaram que poderia se tratar de execução e ainda relataram a truculência com que os PMs agiram durante a madrugada. O irmão de Maycon tentou intervir em defesa do irmão, mas foi atingido e teve traumatismo craniano.

A Secretaria de Segurança do Estado de São Paulo não divulgou os nomes dos policiais presos. Eles já foram encaminhados ao presídio militar Romão Gomes, na capital paulista, e serão indiciados. Três PMs que estavam na viatura que trocou tiros com os jovens responderão por homicídio doloso. Já os que vinham logo atrás em uma viatura de apoio serão indiciados por tentativa de homicídio.

Ataque a ônibus – Sete suspeitos de terem ateado fogo nos dois ônibus na zona norte de São Paulo também foram presos. O ataque, que supostamente veio em resposta ao assassinato de Maycon de Moraes, resultou na morte de duas vítimas que não conseguiram sair a tempo do veículo e tiveram os corpos carbonizados. O veículo estava parado em um ponto final na Praça Erotides de Campos, no Parque Edu Chaves, quando um grupo se aproximou e ateou fogo no ônibus. O Corpo de Bombeiros, que foi acionado por volta das 3h30 da madrugada. As vítimas ainda não foram identificadas.

De acordo com o delegado da Seccional Norte, Cosmo Stikovics Filho, alguns detidos são menores e um deles foi preso após dar entrada em hospital da região com queimaduras. O menor J.N.S., de 17 anos, disse que estava em um churrasco e se acidentou, mas os policiais suspeitaram sua ligação com o ataque.