Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Segredos e métodos capciosos marcam pesquisas eleitorais de 2010

Arres Ésoj do BDSP não é candidato à Presidência neste ano, mas aparece em um dos questionários apresentados em uma pesquisa eleitoral feita pelo instituto Vox Populi, em janeiro, segundo documentos entregues ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na verdade, o candidato de nome estranho é José Serra (PSDB) de forma invertida. A campanha eleitoral de 2010 mal começou, mas as últimas semanas foram recheadas de detalhes “curiosos” das metodologias das pesquisas eleitorais.

Formulário do instituto Vox Populi tem o nome de José Serra (PSDB) invertido: BDSP Arres ÉsojDe acordo com o Vox Populi, o nome do tucano apareceu ao contrário por causa de “problemas técnicos no programa de conversão para PDF”. A deficiência técnica, garante o Vox Populi, foi sanada na hora de botar a pesquisa na rua. “No formulário que foi utilizado na pesquisa de campo todos os nomes estão legíveis.” Teoricamente, os dados entregues à Justiça são exatamente os utilizados pelos entrevistadores.

Em pesquisas eleitorais, detalhes são fundamentais e a ordem dos fatores altera o produto final. Por exemplo: a sequência de perguntas ou a forma como elas são elaboradas levam a resultados diferentes. Questionar sobre a popularidade de um candidato à reeleição antes de perguntar a intenção de voto pode alterar o patamar atingido por ele.

“Diferentes métodos de colher os dados provocam debates entre os especialistas e podem dar resultados diferentes. Diferenças acontecem e podem ser relevantes. Há detalhes em questionários que podem ser inseridos propositalmente para alterar resultados. Isso não é regra, mas ocorre”, diz o cientista político Alberto Carlos de Almeida, autor de Erros nas Pesquisas Eleitorais e de Opinião e A Cabeça do Eleitor. “Nos EUA se faz muito média das pesquisas, que é uma maneira de diluir o erro.”

Em um questionário do Instituto Mapear, o eleitor se depara, em uma primeira pergunta, com as opções de voto em Dilma Rousseff, José Serra, Ciro Gomes e Marina Silva. Em outra questão, as opções apresentadas são Serra, Ciro Gomes, Marina Silva ou “Dilma, a candidata do Lula”, como mostra a figura abaixo:

Em pesquisa do Mapear, Dilma aparece como 'candidata do Lula'

Cláudio Gama, do Mapear, diz que a pesquisa foi feita por conta própria e a intenção era medir o grau de transferência de votos de Lula. O instituto divulgou um alerta de que, em toda divulgação, a questão que apresenta Dilma como candidata de Lula deveria ser considerada como uma pesquisa de tendência, “nunca sendo divulgada isoladamente”.

“Nós construímos a hipótese de que a Dilma não era conhecida e não havia associação a Lula. O ponto central era o desconhecimento do nome. Nossa hipótese é de que, diferentemente de outras eleições, neste ano haveria uma forte possibilidade de transmissão de voto do presidente para sua candidata”, afirma Gama.

Segundo ele, na Baixada Fluminense, quando se apresenta Dilma como candidata de Lula, a ex-ministra chega a ter o dobro das intenções de votos. “Fizemos essa pesquisa por conta própria porque era uma questão interessante a se verificar. Não trabalhamos para o PT nem PSDB nesse nem naquele momento.”

Tucanos e petistas bateram boca nesta semana sobre os diferentes resultados de institutos diversos.

Outros dados entregues pelo Vox Populi ao TSE mostraram que os pesquisadores repetiram o itinerário (incluindo ruas, casas e endereços dos entrevistados) em duas sondagens, feitas em abril e janeiro. Em ambos os casos, Dilma Rousseff apareceu em ascensão (no mais recente, tecnicamente empatada com Serra). O instituto negou ter repetido o itinerário.

Segundo especialistas, ao voltar aos mesmos lugares a pesquisa pode ter resultado viciado. Institutos como o Datafolha preferem variar os municípios e/ou os endereços pesquisados.

Em outro caso, o instituto Sensus indicou como contratante de uma pesquisa um sindicato que, na realidade, não encomendou o levantamento. O próprio Sensus reconheceu que os dados entregues ao TSE estavam errados e indicou que o real contratante era o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada e Afins do Estado de São Paulo. O Sintrapav tem cerca de 4.500 filiados, trabalhadores de empreiteiras de obras públicas e privadas.

Filiado à Força Sindical, do deputado Paulo Pereira da Silva (PDT), o Paulinho, que integra a base de apoio do governo federal, o sindicato estima ter receita anual entre 1 milhão e 1,2 milhão de reais. Isso significa que o pagamento da pesquisa correspondeu a cerca de 10% do orçamento anual.

Sindicato de São Paulo contratou pesquisa feita apenas no Rio de Janeiro

O Sintraprav está realmente interessado na disputa eleitoral deste ano. Ao custo de mais 50.000 reais, contratou outro levantamento da Sensus para saber a intenção de votos para presidente, governador e senador. Ocorre que o sindicato de São Paulo pagou por um levantamento feito apenas em municípios do Rio de Janeiro.

Leia mais:

Sensus desafia TSE e barra entrada de cientista político do PSDB

Justiça Eleitoral não pode assumir o papel de fiscal de pesquisas

Qual sua opinião a respeito da confiabilidade de pesquisas eleitorais? Comente: